Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

03
Nov14

Não és lisboeta, és só parvo

Maria das Palavras

Ser lisboeta ou ser parvo

 

SOU PARVO

Sou parvo, gosto de escrever ideias pré-concebidas para ter os meus minutos de fama. Os meus avós (produtores de bom vinho, ao contrário dos avós dos lisboetas) poderiam confirmá-lo, apesar de ser eu que tenho os títulos pomposos e um nível de instrução que me permite ser parvus honoris.

Sou parvo e gosto de dizer que os lisboetas têm o L, sem me informar devidamente acerca do que isso é ou onde se usa (ou quando se usou). E também não tenho bem noção se o elétrico anda ou não na segunda circular a empatar o trânsito.

 

Não cuspo no chão - como os lisboetas - mas cuspo para o ar todas as idiotices que me vêm à cabeça.
Não atiro beatas às janelas - como os lisboetas - mas atiro bocas aos alfacinhas, que é de gente instruída.
Apanho as cagadelas dos canitos - ao contrário dos lisboetas - porque é assim que acumulo tanta merd* para escrever.
Aproveito os sinais vermelhos para escrever crónicas à pressa - só pode.

Sou parvo e, até conheço os meus vizinhos, mas nenhum fala comigo e não consigo perceber porquê - devem ser lisboetas. Dou sempre gorjetas e esmolas. E lições - gosto tanto de dar lições. 

Sou parvo e não tenho medo de greves dos transportes - provavelmente estas crónicas pagam-me o combustivel para não ter de depender delas. Não tenho orgulho em ver celebridades, porque me acho uma. Mas não vão passar por mim de qualquer forma, porque vocês estão todos enfiados no Colombo e eu esse chão não piso.

Sou parvo e não entendo que o mal não está em chamar alfacinhas aos lisboetas (que é para o lado que dormem melhor) mas sim no tipo de atitude com que se o faz,

Sou parvo, sou o que quiseres, agora lisboeta é que não sou.

 

 

(Eu não sou lisboeta - só emprestada e já vi cuspirem o chão em várias cidades. Este tipinho atiçou-me o nervo, como atiçou despropositadamente mais polémicas regionais. É só ironia? Pois bem, também o meu texto. Assim rimo-nos todos.)

 

 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

03
Nov14

Entre o deixar voar e o deixar cair

Maria das Palavras

http://pixgood.com/birds-silhouette-tumblr.html

 

Tens um passarinho frágil na mão. As asas dele sabem voar, mais alto até que os outros, apesar de empedernidas.

Sozinho ele não dará o impulso - já caiu tantas vezes, quando o medo lhe toldou os movimentos. 

Tens de o largar e obrigá-lo a seguir caminho. Há Primaveras para encontrar. 


E se o soltas desamparado ele voa ou ele cai? Não sabes as probabilidades para esta aposta. Não há ninguém com um placar digital a fazer a contagem decrescente para o momento certo. Sabes da vontade do passarinho e da tua. Da força dele. Também das feridas que ainda tem para lamber. Sabes pouco afinal. Sabes quase nada. 

 

Uma decisão não tomada também muda o curso das coisas. Tic tac.Tic tac.

 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

02
Nov14

Chegou cá alguém #2

Maria das Palavras

...a pesquisar por "que o meu namorado me vai pagar um gelado da ola".

Logótipo Olá - Gelados

Ó melher, tu guarda-o!

Para já, arranjar quem nos pague qualquer coisa com esta crise, mesmo em fase de engate, é uma descoberta ao nível do Pedro Álvares Cabral a chegar ao Brasil em 1500.

Depois nem é Camy, nem nenhuma marca fajuta, é logo a nossa querida Olá que nunca desilude. Não abuses do rapaz e pede um Super Maxi  em vez de um Magnum para ser mais em conta. E não te atrevas com o Calippo, sua ordinária.
Trata-o bem e - ouve o que te digo - um dia destes ainda te paga um Häagen-Dazs.

 

Sortuda!

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

01
Nov14

Quando o tempo não chora connosco

Maria das Palavras

 http://16outravez.files.wordpress.com/2012/11/chuva1.jpg

 

Às vezes temos dentro de nós chuvinhas insistentes e serenas ou tempestades com toda a violência dos seus trovões. Ventanias imensas.

Depois olhamos pela janela e esperamos ver algo que condiga com o nosso estado de espírito: céus cinzentos, convites ao recolhimento.
E é especialmente revoltante quando o céu se abre num sorriso soalheiro e nos ilumina a face marcada pela chuva interior.
Especialmente em Novembro.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Pág. 14/14

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds