Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

19
Set17

Comentar o comentador #10

Maria das Palavras

Vi no outro dia um vlog a falar de um pequeno eletrodoméstico que se tornou logo objeto de desejo. É uma espécie de ferro vertical da Rowenta. Claro que não substitui um ferro normal com uma tábua de passar a ferro, mas é ótimo (dizem as más línguas) para quando se tira a roupa um bocadinho engorinhada (conhecem o termo? aprendi na terra do Moço) do roupeiro e não queremos sair de casa logo de manhã com aspeto de quem andou a dançar a lambada.

 

Mostrei ao Moço que também gostou da ideia de dar um jeitinho às camisas que mesmo penduradas vão sempre ganhando um vinco ou outro. Um bocadinho caro, o bicho, logo estava a ver sites de comparador de preço e a ler reviews. Até que me deparo com este belíssimo comentário:

 

Review da máquina para passar | Comentar o comentador #10 - Maria das Palavras

 

Fiquei muito contente em saber. Achei que o Moço podia ficar dependente de mim para ter de ajeitar a camisa, ou ao contrário, estar eu de vestidinho amarrotado e sozinha em casa, sem poder fazer nada para contrariar isso, por não ter um homem ao pé. 

 

Foi esclarecedor, no entanto precisava de saber mais: se tanto pode ser usado por loiros, como morenos. Se dá para usar com a mão esquerda ou a direita. Se podem usar benfiquistas, sportinguistas e portistas. Se é tranversal a afiliações políticas. Se mães que não amamentaram podem usar. Se pessoas baixas e altas podem ambas beneficiar deste ferro. Se alguém que calce o 37 consegue o mesmo resultado, enfim. Coisas que bem pensadas, até vinham logo especificadas na embalagem, como aquelas tabelas de nutrição. Não fosse alguém comprar ao engano.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

18
Set17

Comprar casa ou não: eis a questão.

Maria das Palavras

home-office-569153_960_720.jpg

 

Pequena sondagem: moram numa casa comprada ou arrendada?

Eu diria que aos 31 seria capaz de responder com a primeira opção, mas a vida é muito poucas vezes aquele que pensámos que íamos fazer dela. O que não significa que seja pior. Quando estava em Leiria sabia que queria ir para fora: não porque não gostasse da minha cidade (#leiriaélinda) ou das minhas pessoas, mas porque sempre tive trejeitos de independência e sabia que queria criar um espaço novo, só meu. 

 

Em Lisboa convenci-me que seria para sempre. Cheguei a considerar trabalhar fora, quando as pessoas ainda o faziam por vontade e não por necessidade, mas não cheguei a dar o salto - e mesmo aí considerava que fosse uma coisa temporária. Na última casa em que morei, cheguei a pensar que se tivesse mais um quarto, era bem capaz de me convencer a nunca mais mudar (e sabe Deus - mais quem já as fez, como as mudanças são custosas).

 

Depois levou tudo uma cambalhota e vim parar ao Norte, onde sempre onde sempre adorei passear, mas nunca considerei poisar. Sou feliz aqui e moro numa casa que me apaixonou assim que abri a porta e depois as janelas para a rua. Não por ser uma casa nova (que não é) ou perfeita (que não é) mas porque tem luz de dentro para fora e de fora para dentro. 

 

Mas mesmo vendo-me a ser fiel tanto a esta casa como à outra, já não sei como garantir que isto vai durar muitos anos, quando há pouco jurava que nunca moraria ao pé da praia (e cá estou eu, um rato de cidade a poucos metros da areia). Suponho que o trauma de não controlar a vida vai assentar e um dia estarei (estaremos) preparados para esse passo. Hoje não é o dia, e por um lado é uma pena, agora que até tenho contactos privillegiados no mundo imobiliário, com uma amiga da maior confiança a trabalhar na agência Comprar Com Arte (aproveitem vocês, se estão nessa fase). 


Ela ajudou-me a escrever um texto no blog Aprender Uma Coisa por Dia, com 5 Dicas para Comprar casa. Não deixem de espreitar!

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

17
Set17

Aquelas coisas com atacadores.

Maria das Palavras

Não lhes vou chamar ténis ou sapatilhas porque tenho um grande trauma com essa nomenclatura. Em Leiria são sapatilhas (que para alguns são as de ginástica, que sempre chamei sabrinas), quando me mudei para Lisboa habituei-me ao nome ténis (que é uma modalidade, mas não me incomoda desde que não oiça dizer "um téni" - muito errado, gente!).

 

Nunca os adorei, enfim, era o que queria dizer sobre aquelas coisas com atacadores. Não acho que sejam mais confortáveis do que um bom par de sandálias ou botas. Geram chulé. No entanto, no útlimo ano talvez, tenho usado cada vez mais. Passei de ter um par que o Moço comprou para me obrigar a ter um, a uns...quatro vá. Que vou usando de quando em vez (tipo um dia por semana ou menos). E eis porque agora uso e até gosto de ver: o meu principal problemas com as sapatilhas (ou ténis) era o facto de me deixar com ar de rapazinho de 7 anos. Ainda acho que me tiram dez anos, mas agora, aparentar 20 já não me parece uma desgraça tão grande. 

Vai daí, pela primeira vez nos meus 31 anos de vida, dei por mim a explorar opções. Claro que opto sempre pelas "sem marca griffe" - por exemplo, tenho umas Converse All Star? Não, mas tenho umas iguais  de uma marca muito mais barata. E imaginem só? Deixam-me calçada na mesma! Talvez de facto a diferença esteja na qualidade, e quem lhes dê muito uso deva optar pelas primeiras, mas seguindo a lógica de "pago 1€ por cada utilização que faça delas" não creio que ao longo de um ano pagasse as segundas, por isso opto pelas primeiras. Até que tropecei na La Redoute e encontrei promoções (com e sem marca...). E em estreia absoluta (não no blog, mas na vida) deixo uma listinha ao género "nem me importava" d'AQUELAS COISAS COM ATACADORES! E as minhas favoritas nem 10€ chegam a custar.

 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

16
Set17

A lógica de contar para adormecer.

Maria das Palavras

O Moço saiu às sete da manhã e aí eu despertei. Queria mesmo preguiçar, porque podia e mais tarde tinha muito para fazer, mas não sou da marca de dormir até tarde. Aninhei-me, fechei os olhos e pensei para comigo: vou contar. Não carneiros que só tinha um (eu, de signo), mas tentei contar as vezes que inspirava e expirava. É que se costuma fazer, não é? Contar para adormecer? Uma técnica reconhecida por toda a gente. 


Pois, são 9h da manhã e estou a escrever no computador, depois de esgotar todos os mini-clips que tinha por ver no Instagram Stories (hoje sou capaz de pôr lá qualquer coisa, atentem em @maria_das_palavras). Escusado será dizer que não resultou. E é lógico, não é?


Contar para adormecer? Portanto quando o objetivo é relaxar trazemos para cima da mesa (ou  da almofada) a disciplina que mais traumas escolares deixa? #cicatrizesprofundas

A solução mais criativa que temos para esvaziar a mente é o primo simplório das expressões numéricas? Contar, a sério? 


Não imagino como eu, ou milhões de pessoas antes de mim experimentaram com fé esta técnica. Mas duvido que um lembrete da disciplina mais odiada de sempre, que provavelmente provocou as maiores séries de repetições escolares, relaxe alguém. Mesmo sem ser o meu caso, que mesmo odiando, fui passando com distinção, claramente não me deixa descansar. Contar. Contas. Água, luz, gás. Dias que faltam para eu ter de acabar o projeto Y. Quantas coisas tenho para fazer durante o dia de hoje.

Enfim. Se para vocês alguma vez resultou, não deixem de me dizer como são seres únicos e especiais. Mas para mim, contar para relaxar é mito. Talvez a seguir tente a física quântica.

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

15
Set17

Não preciso de ninguém.

Maria das Palavras

Não sou de sentir saudades (não sou mesmo). E vivo bem sozinha. Acredito que sou ligada à família, que me mantenho perto dos amigos (e a distância pode ser encurtada de muitas formas) e que fico com o Moço por opção. É uma escolha,  não uma necessidade. Porque me basto e sozinha me bastaria, isolada do mundo, se assim tivesse de ser. 

 

Não preciso de ninguém, digo eu para mim o dia todo. E depois deito-me e aninho-me nos braços dele, senão a noite é só escuridão.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds