Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

14
Jun15

A família de esferas

Maria das Palavras

Hoje o post é em honra da minha irmã e da infância super criativa que tive oportunidade de lhe proporcionar. Temos sete anos de diferença e portanto a liderança das brincadeiras era totalmente minha. Jogava com ela a coisas tão divertidas como o transporte de copos de água sem entornar (no fundo era a forma de eu obter um copo de água, mas tornava aquilo uma espécie de Jogos Sem Fronteiras e só faltava a voz do Eládio Clímaco) e o levantamento de pés (eu via televisão, enquanto ela me segurava os pés, eu de pernas esticadas, o máximo de tempo que conseguisse).

 

A minha mestria para inventar joos revelou-se naquela que é ao mesmo tempo a brincadeira que a minha irmã melhor recorda e a que mais a traumatizou. Vocês sabes o que são rolamentos? E esferas de rolamentos?

Rolamentos de esferasPronto. Sâo peças. De cenas com utilidades algumas (não sei). Sei que o meu pai tinha uma gaveta cheia de rolamentos e esferas de rolamentos à solta.

Então eu reuniao algumas esferas de tamanhos diferentes e compunha aquilo a que apresentava à minha irmã como uma família. Uma família da qual ela deveria tomar conta. Era a esfera-pai, a esfera-mãe e duas esferas-filhas (nunca fugia muito ao nosso próprio retrato familiar).

As esferas alimentavam-se de luz solar e dormiam numa caixa de fósforos devidamente forrada de algodão. Para que sobrevivessem ela devia alimetá-las diariamente, pô-las para dormir nas horas certas e dar-lhes banho (uma gota de água diária para cada esfera).

 

Esferas de rolamentos

Era imperativo que as esferas sobrevivessem. Quando estivessem mortas, apresentariam manchas acastanhadas. Que é como quem diz ferrugem. Ferrugem que ela causava diariamente ao dar-lhes o banho de gota de água que eu instruía. 
Conclusão: ela dizimava família inteiras, umas após as outras. Vivia frustrada com a incapacidade de as manter vivas e sentia que 

Eu acho que foi uma sorte ela ter-me como irmã.
Já ela, conta hoje  em dia esta história (bem melhor que eu) com um ar mais pesaroso do logro do que divertida e saudosa. Não percebo, não percebo...

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

10 comentários

Comentar post

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D