Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

18
Fev16

Agasalho

Maria das Palavras

Hoje entalei as calças nas meias - não digam a ninguém. Saí mesmo de casa de calças entaladas nas meias.

Três camisolas. O casaco felpudo. Luvas. Gorro - aquele que me deixa só 3 centímetros de cara.

As botas de lenhador(a) bem apertadas com quatro nós cegos.

Tenho frio. 


Não tenho senão frio desde a semana passada. Vista o que vestir ou a queimar junto à lareira, como se fosse mais uma lasca de lenha a querer entrar. Não tenho senão frio.

Mesmo a sopa da minha mãe, que normalmente me deixa em vapores, não resulta. Talvez não possa resultar se não tenho fome e me fico por meia dúzia de colheradas que a língua quer travar. Não tenho fome mas tenho frio.

 

Chego a casa, ligo o pequeno ventilador que faz muito barulho. Deixo-o estar ligado para sempre - tão poucas coisas são para sempre e o ventilador ligado também não é - às vezes até adormeço com a dança ruidosa da ventoínha. Por estes dias parece que não oiço bem, sequer. Talvez o frio me tape um pouco os ouvidos. Me adormeça os sentidos todos. 


Hoje abusei. Dizia eu que até entalei as calças nas meias. As meias de algodão, porque debaixo das calças de ganga ainda tenhos os collants. Não deixo nada ao acaso. Não percebo como deixo o frio entrar, assim tão bem agasalhada. 

Depois tirei as luvas na entrada do edifício, cumprimentei rapidamente um cliente que já vinha a sair - atrasei-me outra vez. Por causa do frio. Passou bem? Tenho a mão gelada diz-me ele, pareço um bloco de gelo.

 

Acho que foi nesse momento que comecei a perceber. Pareço um bloco de gelo, disse ele. Esforcei-me tanto com mantas de lã e camadas de roupa e o ar condicionado do escritório sempre nos 35º, a porta bem fechada, o trapo a tapar a fresta. Esforcei-me tanto para não deixar entrar o frio. E o frio era meu. Estava dentro de mim, colado à pele, preso nos lábios, em cada músculo,  a correr-me nas veias. Tenho o frio no fundo do peito, no lugar do teu vazio. 


Afinal menti, esquece o que te gritei enquanto juntavas as tuas coisas no saco grande do ginásio - porque eu te disse que não valia a pena comprarmos uma mala grande, se nunca viajamos. Menti. Menti-nos. Menti-me. Interessa-me saber porque foste embora. Gostava de saber o que mudou ao fim de tantos anos. Tantos que já nem me lembrava que sem ti era fria como um bloco de gelo. Tantos que me esqueci que és tu o meu agasalho de tudo.  Tantos que confundi frio com tristeza, porque tu me protegias dos dois.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

12 comentários

Comentar post

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D