Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

30
Jun17

E o burro, está a fazer o quê?

Maria das Palavras

Uma amiga minha comprou um livro de pano muito fofo para a sua bebé (nos CTT, nem foi na feira da ladra) chamado Na Quinta*. Além de fofo, é muito educativo. Tanto, que vos deixo algumas páginas. Podem querer partilhar algumas coisas com as vossas crianças ou mesmo aprendê-las em primeira mão. Há que ser humilde. Eu também não sabia que os pintainhos tinham crina, ou que os porcos podiam dar lã. Aconselho a comprar porque o livro está todo muito virado para o ensino. Num universo paralelo. 

 

d5f66b0f-9b38-41ad-b8a0-4ff5dac33acf (1).jpg

37c3a246-7fa0-45a4-8e07-8be7e66a4386.jpg

e3f6ee8b-72e6-4583-baf6-e2e9fe8df2e6 (1).jpg

 
* Entretanto, a editora já me comunicou que está a par do caso e que fará a troca de exemplares a todos os que tenham comprado o livro com textos trocados, pois já existem edições corretas (eu vi) e só ficaram no mercado alguns exemplares errados que escaparam - grande pontaria da minha amiga! Isto uma coisa é errar (erramos todos) e outra coisa é saber corrigir os erros, comunicar quando há reclamações e não prejudicar o consumidor. 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

17
Jan17

Yellow Tuesday

Maria das Palavras

A Yellow Tuesday é a terça-feira que se segue ao dia mais deprimente no ano. Ou seja, segue-se àquela segunda-feira que é exatamente igual às outras todas mas como os cabeçalhos dos jornais dizem que nos devemos sentir mal, optamos por dar mais importância ao que efetivamente foi menos positivo nas 24 horas que a compõem.

Esta tradicional terça é geralmente aquele dia em que voltamos a encaixotar as cartas de suicídio e arrumamos as medicações fortes no fundo da prateleira da casa-de-banho. Outras atividades interessantes incluem conversas com os colegas em que tentam provar porque é que a vossa Blue Monday foi mais azul que as dos outros (sem recorrer à Robiallac) enumerando as desgraças corriqueiras do dia a dia como as unhas de gel que estalaram (enquanto os meninos em Àfrica continuam a morrer desatentos às tendências de qual é efetivamente o dia certo para se sentirem mal). 


Yellow (inglês para amarelo) porque é aquela altura em que o bronze se desvanece de vez e ainda estamos a uma distância significativa da Primavera, o que nos empresta aquela tez adoentada de quem vê a praia à distância, para onde quer que olhe. 

 

Este artigo foi escrito com base em estudos com base em fontes, nomeadamente nenhumas.

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

22
Dez16

Em defesa das meias

Maria das Palavras

As meias têm muito má fama no Natal. São tidas como aquele presente de vão de escada que ninguém quer e toda a gente recebe. 

Eu não sei quantos à saúde dos vossos pezinhos, mas cá por casa (leiam com calma não sei se estão preparados para saber isto)...usam-se meias. 

 

GbZb_f-maxage-0.gif

 

Verdade.

Mais: nesta altura usam-se meias numa base diária. E, muito embora, tentemos cortar as unhas pelo menos uma vez por ano, ou de dois em dois, com o serrote do meu tio: as meias também se rompem de gastas. 

 

E eu que me assumo que já recebi muita prenda que não queria ao longo da vida, posso dizer que a desilusão nunca foram meias. Já recebi álbuns de fotos que não me servem para nada na era digital, CD's de bandas que me passam ao lado e roupinha feia, por exemplo.

Uma meia pelo menos é aquela peça segura. Quão feia pode ser uma meia? No máximo é a meioca branca ou tem um cartoon que não é da nossa preferência. Mas para arrumar debaixo das botas serve que é um mimo. É muito difícil errar.

 

Por isso eu digo: abaixo o desdém contra a meia. A meia é melhor que um naperon com cisnes. A meia é melhor que uma enciclopédia. A meia é melhor que os Mon Cherry que nunca gostei.

A meia é a prenda de quem mostra que te conhece: sabe que tens pés. 

 

#usomeias

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

27
Nov16

Vou processar a minha mãe.

Maria das Palavras

A minha mãe não fez um curso para o parto (convenhamos, se fosse para ter formação teria de ser antes uma de planeamento familiar, visto que eu fui feita na noite de núpcias). Não me teve num hospital privado onde o meu pai pudesse ficar (desconfio que ele não queria), nem sequer visitou antes a ala da maternidade, foi assim ao Deus-dará, feita maluca. Ferveu os biberões no tacho (e hoje em dia nem os esterilizadores de microondas servem, têm de ser elétricos). Passava-me a sopa com varinha mágica, a bestinha (aposto que ficava cheia de grumos). Nunca me pôs em cima de um muda-fraldas, o que torna para mim um mistério saber se andava sempre toda borrada - será que nem fraldas tinha? Ou melhor, é possível não ter muda-fraldas e as crianças fazerem cocó na mesma? Fiquei escandalizada quando me disse que nunca me comprou uma forra de ovo que supostamente apoia a cabeça e protege mais do frio. Ainda nem estava preparada para a bomba: filha, nunca tiveste isso do ovo. O meu carrinho não era trio, era só normal, não tinha manhas de transformer. Aqui culpo o meu pai, pelo triste veículo. Secretamente, também o odeio por não ter trocado de carro dele porque teve uma filha. Era mesmo a 4L e pronto, nada de carrinhas com 9 lugares. E sabem quem me tirava as fotografias? O MEU PAI. Foram incapazes de contratar alguém para me registar momentos num ambiente normal para uma criança (como um ninho de palha ou um ovo da páscoa). 

 

Transporte de bebé - Imagem Pixabay

 

 

Ter um filho não exige a disponibilidade monetária ou a preparação exímia que hoje em dia todos nos vendem como certa. Não precisamos comprar tudo o que está na Chicco (e as outras mães têm) e, sobretudo, não precisamos ser perfeitas ou saber e sentir o que está pré-definido por terceiros. O que mudou não foi a necessidade do bebé. Foi - em muitos casos - a pressão da sociedade. Ninguém pode ter um bebé sem um quartinho montado em cores pastel.  Ninguém pode ter um bebé sem sentir que nasceu para ser mãe. Mentira.

Estou mais que ciente que vou comprar e fazer muita mariquice desnecessária um dia que vá ter filhos (sobretudo as mariquices que poupam tempo e dores, que nos dão segurança real ou imaginária), mas quis escrever este texto para servir de lembrete: Maria, não é preciso. Também a "lei" manda ter cortinas em casa e eu nunca as tive, nem fui menos feliz por isso. 

A minha mãe não teve metade das coisas que hoje são "essenciais" e sabe-se lá como, eu sobrevivi. Pensando bem, não a vou processar. Vou-lhe agradecer.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds