Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

23
Set16

O meu lado conservador.

Maria das Palavras

Gosto que ele siga na frente ao entrar num sítio que não conheço. Gosto que pague a conta (mesmo que o dinheiro seja dos dois). Gosto que seja ele a perguntar informações. Gosto que decida por mim. É uma espécie de instinto primário que pede proteção e orientação, que me quer deixar entregue a quem mais confio. Embora saiba que só gosto disto porque não me é imposto. Embora saiba que só gosto disto porque no fundo decidimos sempre os dois. Embora saiba que só gosto disto porque sou uma mulher livre e independente e faço muitas escolhas todos os dias. Tivessem todas as mulheres do mundo, o poder de escolher quando, como, onde e sob o jugo de quem, ser conservadoras. 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

02
Jun16

Uma mulher sem um homem é como um peixe sem uma bicicleta.

Maria das Palavras

Uma mulher sem um homem é como um peixe sem uma bicicleta.

 

Publiquei ontem esta frase que li num livro com técnicas para reparar corações partidos - é o que faz ter de esperar muito tempo para ser atendida nos CTT. E eu que não tenho trejeito nenhum de feminista (gosto é da igualdade que respeita as diferenças) vi-me a concordar com ela sem pensar muito. Logo depois de me ter rido, claro. 

Atenção ao contexto do livro, que é sobre separações amorosas. A frase não quer dizer que a humanidade não precisa de testosterona ou que os homens são uns inúteis (mitos puros que derivam de episódios e espécimes que não servem de exemplo). Não quer sequer dizer - pelo menos da forma que eu a leio - que ficamos tão bem sozinhas, para quê procurar o amor de um homem? Significa apenas que não precisamos que esse amor nos complete. Temos de ser inteiras, por nós. E temos de se inteiras para nos dividirmos. Desta forma o amor é uma escolha e não uma necessidade. O que o torna infinitamente mais valioso. 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

23
Mai16

Os romances não aleijam as mulheres

Maria das Palavras

Imagem Pixabay

 

Há um certo preconceito em torno de livros de amor e filmes românticos. O romance que se vive nessas páginas ou frames, tal como nos contos da Disney, deixam - dizem - as mulheres com ideias irrealistas do que um homem verdadeiramente deve ser e pode fazer por ela. Costuma dizer-se que os contos de fadas as deixam com expetativas elevadíssimas de romance, ao mesmo tempo que a pornografia os deixa a eles com expetativas elevadíssimas de performance e predisposição sexual. Tudo mitos.


Eu sou contra este movimento que acha que os romances deixam as mulheres tolas. As expectativas elevadas conseguimos criá-las sem qualquer auxiliar ficcional, da mesma forma que as desrespeitamos clamorosamente quando um bad boy qualquer sem cavalo branco nem promessas nos consegue tirar o juízo - mesmo que seja totalmente diferente do tal príncipe que foi acordar a Aurora ao palácio depois de não sei quantos anos e sem ligar ao hálito da moça. 

 

Não são os romances que nos fazem acreditar no amor elevado ao sonho cor-de-rosa. Da mesma forma que não deveríamos precisar de uma Barbie Verruga para sabermos que há pessoas com verrugas. Da mesma forma que não acreditamos nos dragões que fazem parte das mesmas peças de fantasia que os príncipes e as princesas (nem o Pinto da Costa já acredita em dragões). 

Quer o Mr.Grey desse uma sova à Anastasia com amor (e tesão) ou porque o seu clube perdeu nessa noite e estava tocado a copos, continuaríamos a esperar que um milionário lindo e inteligente e com tiques de playboy se convertesse à monogamia e às subtilezas do amor por nós. Está-nos na natureza, mesmo que não esteja nos filmes a que assistimos e nos livros que folheamos. Por favor atribuam-nos o dom da inteligência e confiem que se, às vezes, não distinguimos as coisas, não é porque achávamos que o Amor em Seattle podia facilmente ser a nossa história de vida (se ao menos morássemos em Seattle e o Tom Hanks fosse minimamente jeitoso), é porque desejar nunca fez mal à saúde e a capacidade de sonhar nos é intrínseca.

 

Depois, um dia, independentemente de qualquer tipo de ficção, tanto para as que choram com a Anatomia de Grey como para as que vibram com Star Wars, bate-nos a porta um homem que faz canja para nós se estivermos doentes. E afinal, era tudo o que precisávamos para viver o tal amor que nos transporta ao conto de fadas. Afinal os príncipes existem mesmo. E, afinal, os romances não fazem mal a ninguém.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D