Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

14
Dez17

Q&A | O Natal de Maria

Maria das Palavras

A vossa participação estonteante no Instagram valeu quatro perguntas inteiras sobre o meu Natal. O que me leva a crer que a maior parte de vós não quer saber coisíssima nenhuma sobre a minha celebração do 25 de Dezembro - e respeito muitíssimo esse facto porque eu também não sou bisbilhoteira*. Vamos sem demora às respostas!

 


@cilasilva1981 pergunta se gosto mais de bombons que caras de bacalhau.

Perguntar a uma lambona como eu se prefere qualquer coisa que engorde e vicie o cérebro em açucar a peixe que se coze é como perguntar ao Papa se costuma rezar. Em boa verdade, a minha estimada Cecília pegou na pergunta que achei que a minha mãe me faria (se é este ano que como caras de bacalhau com os adultos). Na noite da consoada comemos bacalhau, mas normalmente o meu é com natas, porque já vem sem espinhas (com a desvantagem de ter de ser eu a fazê-lo).

 

@desarumada_blog pergunta em que cidade vou passar o Natal e se já o passei longe da família.

Vou passar o Natal a Leiria. Desde pequena foi lá com os meus pais, irmã, avós maternos e pack tios + primas (que depois emigraram para França e a dinâmica da festa alterou-se um bocado). Passei duas vezes em Lisboa, quando já estava com o Moço (a minha outra família) e ele estava a trabalhar no Natal ou na véspera, mas os meus pais, irmã e avó vieram passar connosco. Também nos últimos anos dividi o Natal entre a minha família em Leiria e a dele em Vila Real, mas a consoada - que para mim é o verdadeiro Natal - foi sempre em Leiria. Não concebo a consoada sem os meus pais e a minha irmã e nem quero pensar numa altura em que algum deles não esteja no meu Natal porque eles são o meu Natal.

 

@umacartaforadobaralho pergunta quais são as minhas tradições natalícias.

Tenho muitas e poucas se perderam com o passar dos anos. Cozinhar em conjunto durante a tarde. Enfeitar as cabeças com chapéus de Pai Natal e chifres de rena. Teatrinhos, jogos e interlúdios musicais na espera pela hora certa. Sortear o nome da pessoa que tira a primeira prenda da árvore de Natal. O longo ritual de abertura de prendas (nem que seja todas meias) em que os mais novos (mesmo que isso signifique entre os 20 e os 30), à vez, tiram cada prenda, lêem de quem é e para quem é, e todos assistimos à revelação do que está no embrulho. Dormir com o pijama recebido nessa noite, mesmo sem o lavar. Uma prenda mais pequena no sapato na manhã seguinte, mesmo muito anos volvidos do tempo em que acreditávamos no Pai Natal (se é que alguma vez acreditei). 

 

*Não sou bisbilhoteira, mas sou curiosa. Não deixem de partilhar comigo a resposta às mesmas perguntas. Sobretudo se também partilham alguma destas tradições comigo!

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

07
Dez17

As pessoas.

Maria das Palavras

No Natal passado estava preocupada com o sítio onde faria a festa em família com a família espalhada por tantos pontos do país, sem imaginar que eu ia adicionar outro ponto geográfico a essa lista. Mais perto de uns, mais longe de outros, compreendo agora que a distância que criamos entre uns e outros muitas vezes tem pouco a ver com quilómetros e mais a ver com tempo. Às vezes a forma como aproveitamos esse tempo. Fazem-me falta algumas pessoas. Mas quando estou com elas, aprecio-as, mais do que nunca. Quando escrevo uma mensagem ponho-lhe tanto sentimento (ou mais) que naquele beijo de "feliz natal" que daria apressado entre dois cafés. E quando se vencem as distâncias todas, cinco minutos podem ser horas a fio. 

Dezembro acabou de começar e já tive de faltar a dois jantares de Natal (almoços, aliás, que a idade já se faz notar). Preferia ter estado, mas não faz mal. O meu Natal são as pessoas. Sem lugar nem hora marcada.

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

22
Nov17

É a árvore de Natal que o meu OCD não diagnosticado permite.

Maria das Palavras

Não estava a conseguir enquadrar a árvore de natal do costume na sala nova, que se veste de amarelo e azul. Assim, de repente, imaginava os mesmos ramos verdes, com as mesmas decorações a pender para o vermelho e sentia-me inquieta no sofá. Há quem se incomode com regras de concursos que não passam de brincadeiras, a mim incomoda-me isto. Cada um com a sua. Respeito para todos.


Arredei da sala a ideia da árvore de Natal do costume que provavelmente encostarei noutro canto da casa. E contei com a habilidade de mãe, pai e irmã (os talentosos da família, que destas mãozinhas não sai nada) para ter uma espécie de árvore de Natal na sala, mais bonita que alguma vez achei que ia ter. Não é uma árvore, mas é um orgulho. E apetece-me dizer que aceito encomendas. Não sou da equipa artesanato, mas de negócios percebo eu. 

 

20171121_090403.jpg

 

 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds