Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

29
Mar16

Escolher o lado bom da vida.

Maria das Palavras

Vou num passeio com uns quatro (4, IV, four, quatre) metros de largura. Vou a escrevinhar no telemóvel, mas atenta. Reparo que vem um senhora a andar em direção a mim (ou eu a ela) e desvio-me para a esquerda ou para a direita - isso das direções é que é mais complicado para mim. Por coincidência ela desviou-se para o mesmo lado e tivemos de parar meio segundo. Sorri para ela, teve graça. Só que não. Ela abriu os braços carrancudos, como quem diz "sua anormal, andas ao telemóvel e obrigas-me a fazer o bailinho da Madeira para passar". Porque eu até adivinho para que lado ela se ia desviar, ou se calhar devia ter feito o pisca. Ela lá passou e eu só fiquei a pensar como a vida é feita de escolhas. Ela até podia não ter tempo, mas uma curva ascendente nos lábios não demora um centésimo de segundo. Não demora mais que a brusquidão da asa aberta. E ela também podia ter escolhido sorrir.

 

 

Facebook - Maria das Palavras

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

29
Mar16

O almoço de aniversário: Elevador | Hotel de Santa Justa

Maria das Palavras

Elevador de Santa Justa - Lisboa | Maria das Palavras

 

Comecemos o relato do passeio pelo início. Na segunda-feira passada, ainda antes de partir de Lisboa rumo a norte (aos poucos) fizemos o meu almoço de aniversário a dois no Elevador [não o da foto, mas bem perto no] restaurante do Hotel de Santa Justa****, a convite da Odisseias. Isto também fez logo com que o dia começasse bem, com direito a passeio pela baixa de Lisboa - antes de começar a chover torrencialmente, claro. As fachadas, as ruas com a calçada portuguesa, o próprio elevador de Santa Justa a coroar a zona (e a roubar o flash de todos os turistas na zona) e aquele cheiro inconfundivelmente português a...caril?!...

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

28
Mar16

A sorte é que não sou supersticiosa.

Maria das Palavras

Pondo de lado todas as coisas boas deste início dos trinta também: choveu como se o céu fosse cair quando estava no meio da rua sem casaco nem chapéu, perdi o cartão multibanco, recebemos uma multa, ficámos presos numa estação de serviço. Isto só no meu dia de anos, porque nos seguintes tanbém consegui que a máquina fotográfica avariasse.

 

Uma sorte, é o que vos digo. Isto de eu não ser supersticiosa.

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

28
Mar16

Voltei a ligar o portátil.

Maria das Palavras

Exatamente uma semana depois - e apesar de ter andado com ele atrás - voltei a ligar o portátil. Achei que durante a semana ia ter saudades e não lhe ia resistir. Verdade que estive sempre ligada no telemóvel, que vi todos os emails (mentira, só abri alguns) e comentários (sem reponder que aquilo no telemóvel é um pincel), que continuei a fazer algumas publicações (mas tudo em modo short&sweet). Não estive completamente desligada, mas aos poucos fui deixando a semana passar, apontando tudo o que queria escrever no bloco de notas sem passar à ação. 

 

O passeio foi uma delícia. Estivemos com amigos, com família, a dois, comemos muito bem, passeámos muito, tirámos fotos para caramba, adormeci enquanto o Moço lia quase todas as noites (quando é que passou a ser assim e não ao contrário?), tudo sem pressas, nem de começar, nem de acabar, em dias preguiçosos e cheios. 

E se é verdade que o regresso à realidade custa sempre, é verdade também que hoje sabe um bocadinho melhor por ter chegado o momento de partilhar convosco tudo o que fui reunindo no bloco de notas ao longo destes dias. Não fossem as outras mil obrigações e hoje não saía daqui enquanto não escrevesse tudo...Que vício malvado que eu fui arranjar.

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

26
Mar16

Das palavras #23: Sorumbática

Maria das Palavras

Como é que uma palavra tão cheia de ritmo e de dança nas sílabas, que parece que tem toques de tambor, que abre o "a" como quem fala de sotaque brasileiro e descomprometido, e pisa passos de samba com o barulho dos saltos, traduz o mesmo que "taciturno"? Como é que há palavras que combinam tão pouco com os seus significados? Peço desculpa. Terei acordado sorumbática...é o fim da viagem que se aproxima.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds