Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

27
Dez14

Guia da Madeira: 3 dias e um quarto.

Maria das Palavras

Quase a terminar a saga da Madeira (ainda quero falar sobre como - e onde - comi tão bem...), descrevo o percurso a fazer em pouco mais de 3 dias.
Com as preciosas dicas da Magda e de mais uma amiga que já tinha ido lá, conseguimos visitar tudo o que tinha no programa (sem correrias) no tempo curto que tínhamos disponível.

Ponta do Sol | Madeira - Maria das Palavras

 

Dia 1: 

Chegámos ao aeroporto pela hora do almoço e esperámos (e desesperámos) pelo representante da Bravacar que nos traria o carro alugado. Afinal não: ia levar-nos numa carrinha até ao "stand" (que podia ser cenário de filmes de terror) para levantarmos o carro. Que não era o bonito Clio da imagem mas um outro Renault bem amolgado. Enfim - foi barato e não nos falhou, suponho que é o que interessa. 
Chegados ao Funchal, demos com o nosso apartamento em excelente localização: Molhe Apartments Ponte Nova. Aqui o meu único desgosto foi a cama de casal...que eram afinal duas individuais bem separadas. Ainda experimentámos o sofá (porque supostamente eram um apartamento que dava para 4 pessoas) mas não foi uma noite confortável. Para compensar a Cátia que nos recebeu era super simpática e deu-nos mais uma série de dicas valentes. Voltaria a ficar lá, sim.
Nesse dia passeamos pelo Funchal, e subimos de teleférico à Senhora do Monte (vista magnífica, local onde estão  os carros de cesto prontos para a descida). Tive oportunidade de provar logo a poncha (e quase cuspi-la) e ver um camone a rir-se de mim. Não gosto de álcool, o defeito é meu.
Jantámos em Câmara de Lobos, no mais recomendado Santo António, para uma das melhores experiências gustativas da minha vida. Mas de comida falo depois.

 

Dia 2:
Foi o dia de ter um plano e não o cumprir. Andámos para trás e para a frente, enfim, fomos felizes. A Madeira é um petisco para os olhos e para a alma. Começamos pela tríade de cortar a respiração Eira do Serrado - Curral das Freiras - Pico do Arieiro. Depois voltámos atrás para um almoço de petiscos do mar bem em conta no Caniçal e seguimos para visitar a Ponta e São Lourenço, para avistar lá ao fundo Porto Santo. Depois fomos outra vez para o outro lado da ilha, mas desta vez totalmente à outra margem, percorrendo o caminho até Santana, para ver as casas típicas do pedaço. É tudo muito rápido a viajar pelos túneis. As distâncias são curtas, as montanhas é que complicam, por isso às vezes compensa andar para trás e não enfrentar o ziguezague da serra para se chegar aos pontos de interesse, pelo menos se levarem os dias contados. Acabámos a jantar no Machico antes de rumar a casa - fomos uns meninos e nunca nos deitámos muito tarde (afinal férias são sinónimo de passeio, mas também de descanso).

 

Dia 3: 

Então vamos lá ver o resto da ilha de um esticão. Mas não sem visitar o Mercado dos Lavradores primeiro, que nos prometeram que era mais animado ao Sábado. Não percam todas as cores e aromas e levem muitas frutas para provar ao longo dia. Depois fomos ver Câmara de Lobos de dia - vila piscatória lindíssima - e subimos ao impressionante Cabo Girão para a melhor vista panorâmica do pedaço. Rumámos então a São Vicente pela Serra de Água e Encumeada - belas paisagens. São Vicente fez-me lembrar a minha costa - estou a pensar na Nazaré, por ver pela primeira vez o mar furioso - a espuma das ondas na Madeira. Fomos num percurso lindo, ladeado por cascatas, para o Seixal, onde nos metemos por caminhos estreitos para almoçar, e depois chegámos ao objetivo do dia: Porto Moniz, onde estão as piscinas naturais maravilhosas que já mostrei nas fotos. Neste dia queria muito ter feito uma levada, mais curtinha (até já tinha convencido o Moço), mas entre a lama e o facto de a mais curta que vimos ser sempre a subir, ele demoveu-me da ideia. Seguimos então para o planalto gigante do Paúl e descemos para Madalena do Mar até chegar à Ponta do Sol. E não sei como fizemos tanta coisa, porque juro que não nos levantámos às seis da manhã, nem andámos a correr, mas na Ponta do Sol estivemos a esplanadar junto ao mar e a fazer tempo para ir jantar qualquer coisinha. Espante-se quem quiser: nesta noite fomos ao cinema. No regresso passámos pela marina do Funchal iluminada e o Moço voltou atrás com o carro quando eu jurei que o logótipo da entrada do Casino tinha uma forma fálica. 

 

Dia 4: 
Não guardámos nada para este dia excepto a visita ao Jardim Botânico, que mereceria melhor atenção ainda se não tivesse S.Pedro chorado a nossa partida do céu abaixo.. E ainda bem que não reservámos mais nada para esse dia - logo vos explico porquê, mas este foi o nosso dia NÃO na Madeira. E assim, passeámos até à hora da despedida. 

 

Mais sobre a Madeira

 

 

Uma viagem vale mais que mil palavras: Madeira I - Funchal

Uma viagem vale mais que mil palavras: Madeira II

O que mais estranhei na Madeira

 

 

Facebook Maria das Palavras

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

24 comentários

Comentar post

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D