Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

15
Ago19

Guia de 4 Dias e picos na Áustria

Maria das Palavras

"O prometido é de vidro", já dizia o outro. Quem acompanhou no Instagram já sabe da minha escapadinha à Áustria, que em tempo útil foram 4 dias bem contados em 3 cidades. Com viagens, são 5 dias. Eu tinha vontade de ir a Viena desde que vi o filme da Princesa Sissi algures na infância e ganhei vontade de ir a Hallstatt desde que tenho esta televisão nova (uma história que também contei lá pelo Instagram).  

 

Viagem Maria das Palavras à Áustria: Viena, Salzburgo e Halstatt em 4 Dias


O Moço não podia tirar férias, este não era um destino de sonho dele, recrutei uma amiga (ela tem candidatura contínua para viagens) que também tinha a Áustria na checklist e partimos num Outonal fim de Julho. Quem diria. 


O nosso roteiro foi o que se segue: 

 

Roteiro de 4 Dias na Áustria - Maria das Palavras

 

Dia 1: Voo de Lisboa para Viena no Sábado de manhã. Chegada a Viena pela hora de almoço. Durante a tarde choveu a cântaros, comprámos um chapéu de chuva e fizemos turismo gastronómico. Fomos ao Palácio de Belvedere (por pouco não nos escapou porque achámos que estava fechado) e fomos engrupidas num concerto de Mozart sem condições (onde ficámos menos de 5 minutos) porque a Ópera - onde realmente queríamos ir - não opera (passo a expressão) em Julho e Agosto. Passámos a noite no Pertschy Palais Hotel que apesar de mais velhito do que aparenta nas fotos (e de não ter ar condicionado) está muito bem localizado e não trocaríamos. Fica mesmo no centro histórico, pelo que só de sair do metro em Stephenplatz, vemos logo a Igreja de São Pedro e as ruas lindas e limpas de Viena. 

 

Palácio de Belvedere - Maria das Palavras na Áustria

 

Dia 2: Já encantadas com Viena, rumámos de manhã à estação de comboios para ir para Salzburgo - AKA onde quem viu o filme Música no Coração se vai passar dos carretos. Para não variar apanhámos chuva. Quem nos manda ir no Inverno? (Ah, espera, era Julho...). A cidade é linda! A minha parte favorita foi a rua Getreidegasse, a rua das lojas, que é estreita com edifícios lindíssimos, mas só atravessar o rio, ver as praças, catedrais, fontes e estátuas, tudo para fazer a pé, vale a pena. Não fizemos nenhuma tour paga da Música no coração, mas deu para delirar com o cemitério da abadia de São Pedro, onde se escondem os Van Trapp, a fonte da Residentzplatz, os jardins de Mirabell e mesmo tirar uma selfie com o gnomo que entra no Do-re-mi. Dispensava ter ido ao forte. O funicular é caro e a pé é um esticão. A vista é bonita, mas a cidade cá de baixo é mais. Ficámos no Star Inn Hotel Premium Salzburg Gablerbräu, by Quality, que fica do mesmo lado do rio que a estação de comboio, também numa zona muito bonita e perto o suficiente de tudo. O alojamento aconselho, cuidado e bem localizado, o pequeno-almoço pago à parte, não. Vão antes comer um Bagel ao Coffee Press.

 

Salzburgo - Maria das Palavras na Áustria

 

Dia 3: Alugámos um carro e fomos passar o dia a Hallstat que é um verdadeiro postal. Que cidade mágica. Fizemos o caminho (pouco mais de uma hora) debaixo de chuva torrencial, mas quando chegamos o tempo deu-nos tréguas - é possível estacionar em parques pagos nos arredores (estacionámos no P1 e deu para fazer tudo a pé). É um daqueles sítios onde as imagens falam por si. Passeámos, mas não subimos de funicular às minas de sal, nem fizemos passeios de barco, já que o tempo nem deu opção. A cidade, que é património mundial da Unesco, tem um percurso pedonal a que chamam Upper Stairs que também permite ver um pouco de cima a perspetiva (mas completo, cansa muito, por isso subimos um pouco e voltámos a descer...ahahah). No regresso tivemos direito a sol para apreciar o percurso que também vale a pena. 

 

Maria das Palavras em Hallstatt, Áustria

 

Dia 4: Regressámos a Viena durante a manhã para explorar o que ainda não tínhamos visto. Como o Hofburg (apesar de termos estado tão perto). Foi a tarde das surpresas. Primeiro, ao passar pelo jardim Burgarten vimos um borboletário e, por impulso, entrámos. Adorei a experiência, eram imensas borboletas enormes (para os meus padrõezinhos) e até valeu a pena suar em bica para estar lá um bocadinho. Depois cometemos a loucura de ir andar até Hundertwasser, as casas coloridas que achei que fossem mais memoráveis e daí para a roda gigante de Viena (faz-se, mas era escusado). Ao chegar à roda gigante, dizem que a mais antiga da Europa, é que percebi que era todo um parque de diversões - o Prater, fundado em 1766! Qualquer coisa entre a Disney e a feira de Maio de Leiria. Não se paga para entrar no parque, só por cada diversão (5€) e foi aí que dei mais graças por ir com a minha amiga em vez do Moço, porque ela alinhou em andar no brinquedinho mais alto, que nos dá uma panorâmica fantástica da cidade (toma lá, miradouro) e nos atira para o chão a 180km/h! AHAH. Deixei os orgãos vitais lá em cima.

 

Viena, segundo dia - Maria das Palavras

 

Dia 5: Esqueci-me de dizer que nesse noite em Viena ficámos no Hotel Mailberger Hof e lembrei-me agora ao descrever a manhã do dia 5 porque foi o melhor pequeno almoço da viagem, num jardim dentro do hotel, com louça digna da Bela e o Monstro, e muitas opções. Também é sobejamente perto do centro, a pender para o lado da Ópera. O voo de regresso a Portugal era por volta da hora de almoço, mas ainda conseguimos picar o ponto mais famoso: o Palácio de Schönbrunn (santinho!) onde morou a princesa Sissi. Tão pequenino que inclui um Zoo no "quintal". Visitámos os jardins gratuitos e subimos ao Gloriette para a melhor vista do palácio, com Viena ao fundo. Dá para passar um dia inteiro, só a passear por lá, sobretudo se perderem o amor ao dinheiro e quiserem ir dentro do palácio e às áreas reservadas do jardim. 

 

Schönbrunn Palace - Maria das Palavras na Áustria, Viena

 

O que gostei mais? Em Viena, o palácio de Belvedere (visto dos dois lados) e o parque de diversões. Em Salzburg, simplesmente passear pelas ruas. Em Hallstat, que exista no mundo - estivemos um bocadinho num parque que o Google chama de Small Island, um bocadinho para lá de toda a comoção de turistas e vale a pena.  

 

E a comida? Alguém pode passar o sal aos austríacos? O especialidade deles é um panado e isso já diz muito. Foi por isso que fizemos para aí metade das refeições em italianos. Mas lá provámos as especialidades.

  • Provámos o Schintzel onde é suposto (no Figlmüller, Viena - notem que há dois, um para quem tem reserva e o segundo para quem não tem) e é um panado gigante bom, mas não passa de facto de um panado. As batatas com molho a acompanhar que apareciam na maior parte das fotos eram boas, mas se estivessem quentes não se perdia nada.
  • A famosa Sachertorte também provámos na origem (café Sacher, junto à Ópera), mas para comer bolo de chocolate com doce de alperce podíamos ter provado em qualquer lado. Nheca. 
  • Em Salzburgo fomos ao famoso Sternbrau e em Hallstatt comemos noutro restaurante tradicional. Em ambos provámos pratos típicos, cheias de saudades de comida tuga bem temperada e acompanhamentos tragáveis. A mostarda salvou tudo. 
  • Uma palavra para vocês: Käsekrainer! A melhor salsicha que comi na vida e isso sim vale a pena. Mete queijo, é estaladiça (quase prima do chouriço) e está tudo dito. É comida de rua, em Viena, e prometo que vão repetir (e querer trazer para casa). A primeira (e melhor) comemos no Wiener Würstl, junto à saída da estação de metro da Stephenplatz, bem no centro.
  • Também comemos Pretzels de rua em Salzburgo, mas...eeehhh. Venha antes a Bola de Berlim da Aipal.

 

O que provamos na Áustria - Maria das Palavras

 

Outras dicas:

- Do aeroporto para a cidade de Viena e vice-versa não vale a pena pagarem para andar no CAT (o serviço expresso). Por mais uma mão cheia de minutos vão no S7 (comboio da OBB) para Wien Mitte e daí de metro ou a pé para onde quiserem. Fica 2,40€ se não me engano + o bilhete de metro, se usarem, que são 1,80€. Já o CAT são 12€ e também vai até ao mesmo ponto.

- Entre cidades, usem o FlixBus sem medo. É uma espécie de bilhete low cost para comboio, que até usa as operadoras usuais onde o bilhete é mais caro (ou seja, vão no mesmo comboio onde poderiam pagar o dobro). Compram online e é só mostrar o bilhete no ecrã do telemóvel ao motorista. Mas melhor ainda, é não fazerem como nós e comprarem os bilhetes com antecedência que fica muito mais barato e aí até podem ir à OBB diretamente (que é tipo a CP, mas vermelha).

- Também pela restrição de tempo, mas porque não fazíamos questão, não entrámos em nenhum palácio e não sentimos falta. Talvez porque assim não sabemos o que perdemos, mas na verdade assim também não nos limitámos às horas de visita - fecham cedo, por isso se fazem questão consultem os horários.

 

 

Et voilá. Espero que daqui retirem alguma coisa de útil, vejam mais fotos no Instagram (há destaque do Stories com o nome Áustria) e se visitarem o país, partilhem comigo!

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

6 comentários

Comentar post

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D