Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

15
Set18

A série mais tola do mundo (wait for it)

Maria das Palavras

anne-with-an-e.jpg

 

Comecei a ver quase sem querer. Creio que num serão em que tinha muito para fazer, mas uma dor-de-cabeça que abolia qualquer chance de ser produtiva. Estava na lista de recomendações do Netflix por causa de outra série tola qualquer que eu também tivesse visto e lembrei-me de uma Youtuber brasileira, daquelas que nem é só fru-frus e maquilhagem, ter dito que era uma série imperdível.


Depressa cheguei à conclusão que era uma série tola. Pateta. Juvenil. Ridícula. Como as cartas de amor.

Os discursos elaborados de uma menina-patinho-feio-orfã com uma imaginação para lá de fértil, os seus pés-na-argola, a falta de uma personagem com quem me identificar. Tudo motivos para deixar de ver a série. A série que não parei de ver.

 

É que eu também sou ridícula. É que também somos todos ridículos. Corremos todos os dias em sequência achando-nos pessoas muito sérias, quando a capacidade de sonhar nos é inata, apenas afastada pela crença que ser adulto é outra coisa. 

 

Tenho visto poucas séries, mas várias que gostei mais que esta: Bates Motel, Peaky Blinders,...no entanto nenhuma me levou a vir aqui querer escrever sobre ela. Porque nenhuma outra era assim: tola e inspiradora.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

17
Abr18

5 Razões pelas quais a Casa de Papel é a melhor série que vi na vida

Maria das Palavras

Imagem La Casa de Papel. Daqui: http://sonsofseries.com.br/critica-la-casa-de-papel/

 

1

Foi o vício mais recente. Logo, tal como quando se trata da paixoneta mais recente, parece sempre a mais forte e dolorosa de todas e que nunca encontrarei outra que a substitua. Ainda tenho o coração em sangue.

 

2

O bom e o mau não têm os limites estanques que somos ensinados a crer. E a série diz-nos isso. Nem tudo o que obedece ao padrão pré-estabelecido é o lado certo da vida. E não, não estou a pensar assaltar um banco com este raciocínio. Neste caso o mau é tão bom que quero tatuar Berlin na coxa. 

 

3

Acaba. Sim, é boa porque acaba. Porque não se arrasta por via do sucesso até ser uma série morta-viva (extamente como The Walking Dead) até testar os limites de paciência do espetador que ou desiste ou resiste estóicamente com a memória do que a série foi um dia.

 

4

É imperfeita. Sim, tem aqueles momentos em que dizemos "pfff...isto na vida real não seria assim, isto está mal feito". Mas o ser humano adooooooooora criticar. O facto da série nos permitir fazer isso dá bónus de má-língua.

 

5

Marca. Há músicas e imagens que não nasceram na série e a partir de agora vão sempre estar associadas à série para todos os que a viram e permitir aquelas inside jokes especiais. 


Adenda: #oraporra

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

01
Mar18

Não há bola, mas querem manter o vosso marido sossegado?

Maria das Palavras

Impractical-Jokers.jpg

Vão às gravações automáticas da Sic Radical e desfilem episódios de Practical Jokers. Um grupo de quatro paspalhos amigos que se desafiam e pregam partidas uns aos outros. Eu acho vagamente divertido, ao género consigo desligar a mente da mesma forma que se estivesse a ver um mau episódio de Kardashians ou outro pedaço de trash TV. Mas o Moço fica com os níveis de serotonina ao máximo. Ri-se muito, de cada vez que respiram uns para cima dos outros, das partidas mais inteligentes aos desafios mais parvos. 

 

#teamJoe

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

14
Nov17

O que andas a ver, Maria?

Maria das Palavras

Sabem quando andamos a seguir algumas séries que gostamos, mas sentamo-nos à frente da TV e não apetece realmente começar um episódio de nenhuma? Conhecem a sensação? É assim que ando - igualmente com livros. Quero, mas não consigo. 

 

E depois,  num desses dia em que queria ver qualquer coisa para me ocupar a cabeça, mas não me apetecia ver nada, botei play na série Designated Survivor (Netflix, pois claro). Uma história que se descreve de forma absolutamente aborrecida, mas se vive de forma absolutamente intensa. 

 

Não prometo que gostem, mas juro que deviam experimentar.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

15
Abr17

3 reasons why…it’s wrong!

Maria das Palavras

cassette-tape-164396_960_720.jpg

 

Note-se que falo do alto do quinto episódio e, portanto, estou longe do desfecho. Mas até agora a série do momento (este 13 Reasons Why, que está na Netflix) divide-me muito.

 

Se por um lado acho os diálogos demasiado trabalhado ao ponto de tirar qualidade à série e torna-la mediana, por outro lado a forma como os episódios estão estruturados deixa-nos sempre com vontade de ver só mais um (sabem como é, certo?).

 

Se por um lado é importante mostrar como pequenas ações podem desencadear grandes tragédias, por outro lado se as razões que tenho visto até agora forem como as dos restantes episódios…metade da população escolar (mais) cometeria suicídio e faltariam candidatos às universidades.

 

Não estou a falar de ânimo leve e a desvalorizar bullying ou depressões (lá vai o tempo em que era inocente ao ponto de pensar que era só uma questão de se ser mentalmente forte para conseguir desvalorizar o que não tem de se definidor para nós et voilá: adeus depressão). Mas levante a mão a miúda que não foi apalpada sequer uma vez ao longo dos anos de escola? Podemos dizer que quem apalpa deu uma razão para ela se matar, por muito desprezível que seja? E sim, talvez seja inevitável dizer isso  se for essa a gota de água, de um mar de pequenas grandes misérias, mas continuem a ler que já chego onde quero.

 

Temos – sobretudo - de atuar do lado dos agressores (sensibilizando, castigando), mas também de fortalecer a autoestima das vítimas para que saibam lidar com, responder a, denunciar quando necessário, desvalorizar quando possível. E nesta série em particular parece-me que se cultiva algo muito perigoso: a ideia de que o suicídio é justificável a ponto de ser uma resposta válida para calar e dar o troco aos agressores. Uma qualquer forma de vingança.

 

Agora vou calar-me e continuar a ver. Talvez seja agora que vem a razão que me faz perceber tudo. A que me faz mudar de ideia acerca da mensagem da série.

Uma coisa é certa. Todos temos um lado B. E nunca podemos assumir que conhecemos alguém ou que sabemos o impacto que uma palavra simples terá nessa pessoa, medindo pelo impacto que teria em nós.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds