Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

09
Mai19

GOT tornou-se uma miúda do Instagram

Maria das Palavras

photo-1515255384510-23e8b6a6ca3c.jpg


Vou começar por dizer duas coisas. Game of Thrones é uma série épica que desde a primeira temporada se revelou a melhor a que alguma vez tinha assistido. E. Espero que nos próximos dois episódios, os que faltam para terminar a temporada e a série, eu seja obrigada a trincar a língua por este post. Um último aviso:  parem agora se não querem spoilers. 


Já não é desta temporada. GOT perdeu a sua personalidade. Perdeu a sua característica mais própria que era a de nos surpreender. Só nesta série um protagonista ainda no pico da sua popularidade, na primeira temporada, morreria. Era a série sem medo. Era baseada nos livros. 

 

A determinado momento, perdeu-se. Já não sei em que temporada foi, mas sei que os dois momentos em que senti isto acontecer com mais força foram quando a Arya quase morre, mas afinal não, e  quando o Jon morre, mas afinal não.

 

Porquê? Porque as pessoas gostavam deles. E assim, num ápice, a série tornou-se numa caça-likes que queria agradar ao público (e ao fazê-lo, desagradou ao seu verdadeiro público). GOT tornou-se a miúda que vive dos likes no Instagram e portanto tira as fotos como mandam as regras: sorrisos dão mais likes, casalinhos dão mais likes (e de repente é o Casados à Primeira Vista), cãezinhos dão mais likes (com poucos frames inseridos à bofetada em cada episódio), monocromático dá mais likes. 

 

Eu vejo a série sem tremeliques, hoje em dia, porque sei que o anão pode estar em frente à irmã com um exército e ninguém vai morrer (ah, a personagem secundária fica sem cabeça, ok).  Sei que pode vir o Sir Bronn com uma besta e vejo a cena com a calma de quem vê uma cena na manicure. Ninguém vai morrer. Mais dragão, menos dragão. O favorito das pessoas chegará ao trono, certamente.

 

GOT tornou-se numa daquelas miúdas do Instagram que a pessoa não quer deixar de seguir porque sempre seguiu, mas sabe perfeitamente que todas as fotos seguintes serão pitch perfect. Terão o atrevimento de os por a ser felizes para sempre?

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

01
Abr19

Descobertas do Mês | Março 2019

Maria das Palavras

Rufem os tambores. As recomendações que vão mudar a vossa vida estão...noutro lado, provavelmente. Mas estas são as minhas e são partilhas de coração. Quatro categorias, selecionadas a meu bel-prazer, onde o único critério de entrada é: chateei toda a gente que conheço para experimentar isto e agora é a vossa vez. 

 

A série: Big little lies

Entrou nos favoritos de Março por um triz, visto que ia escorregando para Abril. Comecei esta série do HBO no Sábado e acabei...no Sábado. Eu sei, shame on me, que passei seis horas seguidinhas do meu dia agarrada à televisão. Vocês chamam-lhe preguiça, eu chamo-lhe um figo. Li o livro no ano passado e adorei - a Liane Moriarty foi a minha autora favorita de 2018, como talvez se lembrem (a cábula dos três que li aqui). A série tem algumas diferenças para o livro, mas a essência é a mesma e o elenco de luxo torna-a imperdível. Sete episódios: vá lá pessoal, dêem bom uso ao mês grátis de HBO, já que vão pôr em Abril para ver Game of Thrones. 

 

Pequenas Grandes Mentiras - Liane Moriarty | Review Maria das Palavras

 

A cidade: Dinant

Para os mais distraídos, fui á Bélgica num fim-de-semana prolongado em Fevereiro (porque o prolonguei, não porque ele tenha nascido assim). Já prometi que escrevo o roteiro em breve - foram 4 dias, 5 cidades - mas a surpresa foi Dinant. Não sei se gostei mais de Dinant ou de Bruges, mas sei que já era suposto gostar de Bruges e de Dinant não me tinham falado. Eita cidadezinha linda. 

 

Dinant | Bélgica - Maria das Palavras

 

O restaurante: Treestory

Ah, quem não adora comida de Geórgia? Muita gente. Mas só porque não conhece. Passei só um dia do mês em Lisboa (nem 24 horas chegaram a ser) mas chegaram para a descoberta gastronómica do mês: o Treestory. Não vale a pena lerem o menu que pouco vão perceber e as mocinhas também não falam o português mais claro do mundo (espaço para me engasgar quando disseram que o prato para provar todas as sobremesas eram 150€, mas afinal eram 15€). Até os meus sogros foram a torcer o nariz e voltaram de bandulho cheio. Vão e peçam ajuda para provar um pouco de cada coisa (ou peçam pelas fotos do Instagram - a que deixo aqui em baixo foi a que me convenceu a ir experimentar o restaurante e arrastar 8 pessoas comigo. E foi o petisco favorito de todos). 

 

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by #TREESTORY Restaurant 🍊🍊🍊 (@treestory_lisbon) on

 

O livro: Sou um Crime, Trevor Noah

Não o li, ouvi-o no Audible, contado pelo próprio (na versão original: Born a Crime"). Estava na minha lista de desejados há muito tempo e sabia que era uma auto-biografia do comediante que apresenta o The Daily Show que é jeitoso e tem uma pronúncia engraçada. Tendo em conta que cresceu na África do Sul, não esperava um relato de conto de fadas. Tendo em conta que o conheço como apresentador de um conceituado programa norte-americano, não esperava metade do que aconteceu.  Só lido. Contado não tem graça - só se for pelo Trevor.  Não é comédia. É a vida real como não a conhecemos. 

 

tumblr_odmioeZzUL1qzh561o2_500.gif

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

05
Mar19

Descobertas do Mês | Fevereiro 2019

Maria das Palavras

Como boa blogger do contra, venho iniciar esta rubrica mensal relativa a Fevereiro, em vez de Janeiro. Também lhe chamo Descobertas apesar de ser claramente um clássico Favoritos, para parecer que é outra coisa (vá até é, só vou mencionar coisas novas). As categorias são fluídas e variam de acordo com a minha real vontade - e com o que fiz ou deixei de fazer nas semanas que passaram. Isto porque muitas vezes partilho "isto e aquilo" de que gostei muito no Instagram e como vocês são pessoas feias não me seguem lá e não ficam a saber delas. Assim, ao menos ficam a saber da nata da nata. Ora vamos lá.

 

A guloseima: Caramelitas

Ando a falar da The Apple Factory há meses, desde que me cruzei com um vídeo simplesmente pornográfico de uma maçã a ser mergulhada num tacho de caramelo.

 

 

De maneira que podia jurar que o Moço me ia dar uma maçã no Dia dos Namorados. Só que não. Deu-me um livro que é um vício mais saudável e que também faz bem à alma. Mas ficou a faltar açúcar, né gente? Por isso no Sábado seguinte fomos ao Mercado Manuel Firmino buscar Apples e Caramelitas para eu provar. As apples são muito boas (e há várias combinações ainda por provar), mas eu como amante de caramelo perdi-me de amores pelas caramelitas. 

 

The Apple Factory

 

Respondo já ao que muita gente me perguntou no Instagram: ela aceita encomendas e apesar de ter pontos de entrega fixos e móveis normalmente em Aveiro e Porto, faz envios para todo o país. Contactem pela página de Instagram ou no Whatsapp (966254765) que ela responde rapidamente e digam que vão daqui para ver se eu ganho uma destas:

 

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by theapplefactory_pt (@theapplefactory_pt) on

 

O restaurante: Mesa com tradição

É só um bocadinho de batota, porque em boa verdade conheci-o a 30 de Janeiro, mas comi tanto que acho que em Fevereiro ainda estava a digerir a vitela de comer à colher e o feijão com alheira. Fica em Vila Nova de Gaia, ao pé de nada que eu conheça em particular e jamais lá chegaria se não fosse o TripAdvisor. Também posso recomendar o bacalhau à Zé do Pipo (#purélover). Dão-vos um miminho à chegada (Porto branco com água tónica) que me dizem que é muito bom, só que aqui a abstémia não merece o chão que pisa. 

 

 

Mesa com Tradição - Restaurante em Vila Nova de Gaia | Review

 

 

 

A série: Homeland

Sim, a série é antiga, mas para mim é nova e este blog é sobre...mim! Sempre esteve na minha lista de "as pessoas recomendam e um dia hei-de ver", onde ainda estão Breaking Bad ou House of Cards, entre outras. Foi desta: play. Temos visto episódio atrás de episódio, temporada atrás de temporada.

Homeland Gif - Carrie saying "I'm not finished"


E não há melhor declaração de interesse do que esta: quando estamos a ver e me começa a dar o sono, peço para desligar ainda antes de fechar os olhos. Entendem agora? Está no Netflix, corram. 

 

 

O passeio: Serralves

Fiquei louca de tristeza com o meu corte de cabelo e podia jurar que não queria sair de casa. Mas já tínhamos combinado ir ver a exposição de Miró a Serralves no primeiro Domingo do mês, que é grátis (de manhã!). Arrumei a vergonha na baínha do vestido e fomos. E foi perfeito. Não tanto a exposição, mas o passeio pelos jardins, incluindo, a zona dos animais e das ervas aromáticas, onde nunca tinha estado. 

 

Fundação Serralves - Porto | Maria das Palavras

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

15
Set18

A série mais tola do mundo (wait for it)

Maria das Palavras

anne-with-an-e.jpg

 

Comecei a ver quase sem querer. Creio que num serão em que tinha muito para fazer, mas uma dor-de-cabeça que abolia qualquer chance de ser produtiva. Estava na lista de recomendações do Netflix por causa de outra série tola qualquer que eu também tivesse visto e lembrei-me de uma Youtuber brasileira, daquelas que nem é só fru-frus e maquilhagem, ter dito que era uma série imperdível.


Depressa cheguei à conclusão que era uma série tola. Pateta. Juvenil. Ridícula. Como as cartas de amor.

Os discursos elaborados de uma menina-patinho-feio-orfã com uma imaginação para lá de fértil, os seus pés-na-argola, a falta de uma personagem com quem me identificar. Tudo motivos para deixar de ver a série. A série que não parei de ver.

 

É que eu também sou ridícula. É que também somos todos ridículos. Corremos todos os dias em sequência achando-nos pessoas muito sérias, quando a capacidade de sonhar nos é inata, apenas afastada pela crença que ser adulto é outra coisa. 

 

Tenho visto poucas séries, mas várias que gostei mais que esta: Bates Motel, Peaky Blinders,...no entanto nenhuma me levou a vir aqui querer escrever sobre ela. Porque nenhuma outra era assim: tola e inspiradora.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

17
Abr18

5 Razões pelas quais a Casa de Papel é a melhor série que vi na vida

Maria das Palavras

Imagem La Casa de Papel. Daqui: http://sonsofseries.com.br/critica-la-casa-de-papel/

 

1

Foi o vício mais recente. Logo, tal como quando se trata da paixoneta mais recente, parece sempre a mais forte e dolorosa de todas e que nunca encontrarei outra que a substitua. Ainda tenho o coração em sangue.

 

2

O bom e o mau não têm os limites estanques que somos ensinados a crer. E a série diz-nos isso. Nem tudo o que obedece ao padrão pré-estabelecido é o lado certo da vida. E não, não estou a pensar assaltar um banco com este raciocínio. Neste caso o mau é tão bom que quero tatuar Berlin na coxa. 

 

3

Acaba. Sim, é boa porque acaba. Porque não se arrasta por via do sucesso até ser uma série morta-viva (extamente como The Walking Dead) até testar os limites de paciência do espetador que ou desiste ou resiste estóicamente com a memória do que a série foi um dia.

 

4

É imperfeita. Sim, tem aqueles momentos em que dizemos "pfff...isto na vida real não seria assim, isto está mal feito". Mas o ser humano adooooooooora criticar. O facto da série nos permitir fazer isso dá bónus de má-língua.

 

5

Marca. Há músicas e imagens que não nasceram na série e a partir de agora vão sempre estar associadas à série para todos os que a viram e permitir aquelas inside jokes especiais. 


Adenda: #oraporra

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

01
Mar18

Não há bola, mas querem manter o vosso marido sossegado?

Maria das Palavras

Impractical-Jokers.jpg

Vão às gravações automáticas da Sic Radical e desfilem episódios de Practical Jokers. Um grupo de quatro paspalhos amigos que se desafiam e pregam partidas uns aos outros. Eu acho vagamente divertido, ao género consigo desligar a mente da mesma forma que se estivesse a ver um mau episódio de Kardashians ou outro pedaço de trash TV. Mas o Moço fica com os níveis de serotonina ao máximo. Ri-se muito, de cada vez que respiram uns para cima dos outros, das partidas mais inteligentes aos desafios mais parvos. 

 

#teamJoe

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds