Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

04
Jan17

O que não nos mata torna-nos mais fartos.

Maria das Palavras

Não é um erro de digitação, é isso mesmo. Abaixo a ditadura da felicidade em frases feitas.


Nunca nos deixam olhar o lado lunar em paz. Quando as coisas correm bem não nos podemos queixar. Quando correm mal há sempre quem esteja pior. Quando o que passamos é mesmo assim a tender para o pior temos de nos contentar na mesma com a ideia de que nos torna mais fortes ou que depois da tempestade vem a bonança e portanto temos de estar felizes por esta magnífica fase de viragem.


Ora porra, em teoria sabemos isso tudo. Mas deixem chorar, deixem entristecer, deixem dar corpo à dor por um bocadinho. Se não tivermos medo dela, se não a reprimirmos, se aceitarmos as coisas más como um facto e não fizermos delas um bicho papão dentro da arca do sotão, se soubermos que não faz mal que nos sintamos mal de vez em quando (mesmo que o nosso problema seja muito relativo ao pé dos meninos em Àfrca a morrer) talvez possamos ver a normalidade da coisa e tornar tudo menos gigante.

 

O que não nos mata, deixa-nos fartos. E desde que nos fartemos das coisas beras e não de nós, está tudo bem.

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

20
Fev16

Palavras dos outros #19

Maria das Palavras

Talvez a infelicidade seja o lugar mais confortável para a alma, concluo depois de anos e anos de ponderação. Tenho visto como nela se encosta muita gente sem dor concreta que se imponha, sem facto objetivo que a cause. Culpa, remorso, medo, sentido extremo de um dever imaginário, fantasiado pelo receio de perder o comboio, a confiança, o norte, o respeito. Vejo tudo isso naqueles que não escolhem senão permanecer no que são. 

Excerto do texto Alívio, do blog Mãe Preocupada (vale a pena ler este e mais)

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

13
Ago15

Dores de crescimento

Maria das Palavras

Murro - Pixabay free images

 

A dor está na génese de muitas coisas boas. 

Doem os dentes que começam a rebentar na boca do bebé de meses. Dói à cabeça à estudante de direta que tem de decorar 600 páginas de vocábulos impossíveis. Dói o músculo cansado de quarenta minutos de cycling no ginásio. Doem no lombo as horas extraordinárias de trabalho do motorista dos expressos.  Dói o diafragma do saxofonista que acaba o concerto da sua vida. Doem as contrações na fase final final da gravidez - e os pés inchados, senhor, durante os nove meses. Doem os braços de carregar as malas até ao hotel que marcamos naquela cidade onde vamos passear uns dias e fica longe da estação. Dói o coração outra vez desfeito da nossa amiga.


Às vezes - muitas vezes - não faz mal termos de nos enroscar em nós mesmos e gemer até àquele momento distante (seja dali a meia hora ou meio ano) em que a dor passa. Porque às vezes - muitas vezes - a seguir à dor a vida traz um analgésico muito mais poderoso. Porque às vezes - muitas vezes - sem essa dor não saberíamos o sabor do alívio. E sempre - não só as vezes - a dor faz-nos crescer. 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

14
Dez14

Tu não sabes o que é a vida

Maria das Palavras

Terá sido a frase que o meu pai mais vezes me repetiu face às minhas investidas de chica-esperta. Falo sempre muito assertiva, como quem conhece os cantos ao mundo - isto para aí desde que aprendi a dizer frases inteiras e o Sr.Zé do café da rotunda me chamou grafonola. É difícil que quem me ouve não ache que eu sei do que estou a falar só pela segurança com que o digo, mas o meu pai nunca se deixou enganar: tu não sabes o que é a vida.


Ocorreu-me no outro dia, que finalmente sei o que ele queria dizer - e, caramba levou-me 28 anos e um período reforçado de trágico-comédias para perceber isto. Levou-me 28 anos para chegar a este estado de alerta geral: em todos os minutos carrego todas as responsabilidades do mundo. E o grande segredo de se ser adulto é ter este estado de consciência que pesa mais do que todos os quilos que tenho no corpo, e ao mesmo tempo seguir com a vida. Ser feliz apesar da mochila das preocupações nos estar colada ao corpo, porque a tiracolo levamos a bolsa de ânimo. Não podemos largar nenhuma. 

Não há pausas nem intervalos para encontrar a alegria por entre a confusão. Não há uma hora para sorrir e outra para chorar: todas as horas são de tudo ao mesmo tempo. Otimismo e pessimismo são conceitos que se confundem e deixam de fazer sentido: é a realidade que nos alimenta e nos faz crescer.


Já sei o que é a vida: é não saber nada da vida. 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D