Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

06
Abr17

A porcaria que mais falta me fez nos 66 dias foi...

Maria das Palavras

Garrafa de Coca-Cola

 

Não esperava confesso. Se tivesse de apostar diria que seria o gelado (louca dos waffles com gelado aqui). Todas as porcarias que fui voltando a provar me souberam bem. Mas provei-as como quem se deleita com algo que ainda ontem tinha comido e é familiarmente bom. Provei-as como um regresso a casa depois do trabalho. Agora esta menina? Esta menina nos lábios - a Coca-Cola - foi como regressar a casa depois de sete anos na Sibéria. Foi um "como consegui viver sem isto?!". E note-se que não bebo muitas vezes - uma por semana, vá (até porque não bebo sempre que me apetece). Só que - caramba - tão bom. Como é que alguma vez me vou habituar a gostar de água, quando esta substância corrosiva, pouco saudável, cheia de gás e açúcar e cafeína, mas deliciosa existe? Ai...

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

28
Mar17

Como te tens alimentado, Maria?

Maria das Palavras

Recebo centenas de emails diariamente a perguntar como me tenho portado no pós-66 dias sem porcarias, o desafio que me fez recusar tudo o que era gorduras e açúcares durantes os primeiros dois meses do ano e um pouco mais. Mentira. Ninguém quer saber, mas eu conto na mesma.

 

Tenho-me alimentado melhor? Mantive os hábitos saudáveis? 
Não. A resposta é um redondo não. Por várias razões. A primeira é que não consigo. Disfarcei que tenho a força de vontade de uma barata de carapaça mole porque, mais do que gulosa, sou teimosa: portanto assim que proferi a promessa sabia que a haveria de cumprir.  No entanto, essa promessa acabou. E logo a seguir à dieta veio a viagem à maravilhosa Nova Iorque (acompanharam no Instagram? Querem mais fotos ou posts sobre a viagem? Talvez um vlog com alguns dos bocados que filmei para o nosso álbum de memórias pessoal?). Ora, associado a uma viagem a NY vem muita pizza, muito donut, muito cupcake e diversos tipos de pequeno almoço que envolvem maple syrup. Como se isto não chegasse, quando regresso à rotina, não é bem a rotina estável de há uns tempos. Sou eu a morar sozinha, com arrumações para fazer e viagens a Lisboa ou Leiria quase todos os fins-de-semana. Que é como quem diz: sou eu, sem vontade de fazer comida decente só para eu comer e a correr de um lado para o outro, a precisar de petiscar a horas e em sítios onde há pouca granola.

Conclusão: não, o corpo não se habitua a comer de forma saudável a partir dos 20 dias de privação ou lá o que era. Mas a conjuntura também não tem ajudado. Ops.

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

08
Mar17

6 coisas que aprendi nos 66 Dias sem Porcarias

Maria das Palavras

66 Dias Sem Porcarias - Maria das Palavras

 

1. Sou muito determinada. Não vem bem como uma novidade. Eu sabia que era dificil falhar o desafio depois de meio mundo saber acerca dele. Mas estes 66 dias de limitações que nunca antes me tinha imposto por 1 hora sequer foram um teste gigante à minha resistência,. Depois disto podem contratar-me para qualquer missão secreta do governo. Se não cedi na dieta quando tinha batatas fritas no meu próprio prato, jamais cederei sob tortura de qualquer tipo (mas por favor não me arranquem as unhas...).

 

2.  As diferenças no corpo são mais visíveis do que me pareciam. À vista desarmada parecia-me que estava tudo igual e uso exatamente a mesma roupa. O Moço jurava que eu tinha emagrecido nas últimas semanas e que tinha a barriga mais lisa, mas honestamente atribuí isso mais ao stress de uma mudança de vida concentrada em poucos dias, do que à falta de gordura saturada e açúcar. Mas a balança não mente. Nem me permite atribuir isto apenas a preocupações acrescidas. Perdi quase seis quilos em 66 dias, pesados na mesma balança, à mesma hora. Apesar de ter cortado no pão, que só comi ao pequeno almoço, não cortei nos hidratos ao almoço e ao jantar (aliás comi muita massa e muito feijão com arroz), nem os subtitui tanto por legumes como deveria, pelo que não seria surpreendente se não descesse de peso (nem era esse o meu objetivo). Tenho outra vez o peso que tive a maior parte da vida e vendo bem, as calças voltaram a assentar como há uns bons meses atrás (e algumas a precisar de cinto). Estou abaixo do IMC, sim, sempre estive, mas a carne continua cá, prometo que não pareço uma menina etíope, por isso depreendo que perdi só as gorduras dispensáveis.

 

3. Na pele nota-se qualquer coisita! Mesmo sabendo que vem na continuação do maior cuidado que tenho tido com a rotina de limpeza do rosto nos últimos meses, penso que não é impressão minha: a dieta melhorou a minha pele, de forma visível e significativa. Pontos para a privação.

 

4. As pessoas não respeitam as dietas. Já desconfiava, mas enfim. Pessoas que evitam doces por regra ou são vegetarianas ou têm qualquer tipo de escolha alimentar que difere da norma e inclui recusar um pedaço de comida gulosa em qualquer circunstâncias merecem quase sempre um torcer de nariz. Muito embora saibam que muitas vezes é uma rejeição mental defensiva que diz "eu devia fazer o mesmo, mas não consigo resistir, por isso vou só achar parvo". Eu sei, porque já torci o nariz também.

 

5. Comer bem priva-nos de pequenos prazeres que não estão relacionados com comida. Está bem, comida não traz felicidade. Mas a) a comida faz parte dos rituais de socialização ("vamos lanchar àquele sítio novo?" nunca é sinónimo de "conheço uma casa de iogurtes fantástica"). b) A comida faz parte das pequenas descobertas quando se visita uma nova cidade. E c) provar comida (saborosa ou não) faz parte das experiências da vida ("OMG, já provaste estas batatas fritas com sabor a mirtilo??" não pode ser seguido de "não posso").

 

6. Posso comer bem e ficar satisfeita e saciada. Afinal não morro se resistir ao que me apetece e até posso comer outra coisa melhor que me deixe feliz. Muitas vezes ao lanche (antes dos 66 dias) evitava comer fruta ou iogurtes, só pelo facto de ter escolha. Porque podia (e me apetecia) uma coisa mais doce, mais calórica, mais gostosa. Agora, às vezes, é mesmo a fruta ou o iogurte ou o Babybel que me apetece. Genuinamente. E tenho a certeza que os vou escolher mais vezes, porque - de forma forçada - aprendi que me podem saber muito bem, mesmo quando a minha mente gorda diz: o que tu queres é Futebolas , menina!

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D