Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

31
Out16

Álouíne

Maria das Palavras

Já que estamos a tornar portuguesa uma tradição americana, que o façamos convenientemente, a começar pela grafia. "No meu tempo" (a temida expressão) o que se usava era "O dia do Bolinho" no dia 1. Aquilo que alguns chamam de Pão por Deus. Máscaras só no Carnaval. É um bocadinho irrelevante a maneira ou as horas a que a tradição se leva a cabo afinal: o que interessa é que continue a haver açúcar a rodos, mesmo que já não seja no saco do pão, nem venha já misturado com tremoços e bolos a desfazerem-se. Por isso decidi criar a minha.


Ora nesta noite de 31 de Outubro - o Álouíne - o Moço trabalha e eu podia ficar sossegadinha. Ou podia fingir que já não tenho o suficiente para fazer e encher a casa de bruxas. Claro que a segunda ganhou. Chamei ao evento "Noite das Bruxas", planeei o menu com abóbora e açúcar suficientes e chamei um grupo giro de amigas. Não é bem uma festa, nem um jantar, é uma celebração da fama que as mulheres têm. E se temos fama...
No entanto, para evitar modernices, ninguém deve vir mascarado.

KUvpwio.jpg

 

Agora tenho de ir. Já estou a ouvir as primeiras vassouras a estacionarem lá fora...

 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

31
Out16

Poças, andei uma vida enganada.

Maria das Palavras

A interjeição escreve-se "poças" e não "possas". Peço desde já desculpa aos leitores, porque isso quer dizer que este blog está minadinho de erros. Ao mesmo tempo, também estou a pensar que vocês são sacanas...se escrevo "tmbém" (claramente falha da pressa) vem logo o santinho da ortografia acusar-me de não saber escrever a língua de Camões. E esta palavra de importância maior no léxico de qualquer pessoa que não usa palavrões brutos para se expressar, vocês lêem cá no blog e riem para dentro que nem ratos sem me corrigir. Ora poças para vocês. 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

30
Out16

O Espera-Maridos

Maria das Palavras

espera maridos a.jpg


O xailinho de malha larga que levo aos ombros foi a minha avó que mo fez. Guardou-o no meu enxoval até ao dia que mudei de casa para morar com o Moço. Reparem que não mo deu enquanto morei sozinha, apesar de eventualmente o Moço também se ter mudado para lá comigo. Deu-mo quando arranjámos os dois a nossa casa atual. Disse-me que era um espera-maridos. Para as mulheres se aconchegarem um pouco enquanto o marido não vinha da pinga ou da lavra. Não me casei, mas ela esperou pelo momento certo para mo dar.

Quando as temperaturas começaram a descer fui buscá-lo à gaveta dos pijamas, onde o guardo, ao fundo. Sabe bem, quando não há tanto calor que se precisa de mais uma camada, mas já faz falta um aconchego aos ombros. Sentei-me no sofá ao pé do Moço (por quem efetivamente espero muitas vezes) e perguntei-lhe se sabia que aquilo era um espera-maridos, com um tom terno, de quem vai contar exatamente o que vos contei. Diz ele, com ar gozão:

- É agora...isso é um xaile de avó!!

 

Pronto, não me chateei porque também é efetivamente um xaile. Que efetivamente é usado por pessoas de idade - está para vir a tendência  para as mai'novas outra vez quando a primeira blogger IN publicar uma foto de xaile. Mas depois fui ao Google pesquisar por espera-maridos e percebi a desilusão dele. Além dos xailes e de alguns doces assim chamados, há toda uma categoria têxtil de espera-maridos com a qual ele talvez ficasse mais entusiasmado...

 

fp779108c.jpg

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

29
Out16

O carteiro toca sempre duas vezes

Maria das Palavras

 


E eu adorei que tivesse tocado estas duas vezes, com duas edições mais do que recomendadas do Clube do Autor. Não por mim, que ainda não os li (acabaram de chegar, tenham lá calma), mas o primeiro foi considerado "Livro do Ano" pela Amazon e pela Entertainment Weekly (entre outros) e o segundo ganhou o Diamond Dagger Award, o Prix Coeur Noir e o Prix POLAR International. Não que agora só leia livros premiados - nem vos posso dar esse exemplo senão agora só podiam ler o Por Falar Noutra Coisa, a Pipoca e a Cocó, entre alguns outros merecidamente vencedores dos Blogs do Ano [pausa para palmas] e deixavam-me de parte (que eu nem juízo ganho, quanto mais prémios).

 

Certo é que há umas semanas fiz um post a desejar uma história verídica (e dei como um dos exemplos este Quero-te Morta) e agora que o tenho estou danadinha para o ler. Do outro nunca tinha ouvido falar mas li a sinopse e estou certa que para mim e para todos os apaixonados pela leitura (alerta Magda Pais) vai ser imperdível. Logo vos dou a minha opinião - curta e grossa concisa e honesta, como sempre. 

 

Sigam-me no Instagram @maria_das_palavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Pág. 1/15

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Também escrevo pr'áqui





blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds