Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

30
Nov16

Conto de encontro #1

Maria das Palavras

A chuva picava-lhe a cabeça, ainda assim menos que as suas próprias dúvidas. Já seguia atrasada para abrir a loja – sempre combinava com o atraso para pagar as contas.

 

A voz seca da mãe em loop: não arranjas homem, ao menos arranja um negócio. Abrir a loja foi só a pior decisão da vida dela. E muito menos lhe permitiu tempo para a primeira opção. No fundo a vida dela resumia-se a um conjunto de decisões erradas: o curso errado, o timing errado para deixar a casa dos pais, os homens errados, o negócio errado.

Era dona de uma pequena loja de artigos informáticos. Porque alguém lhe disse que era “isso que estava a dar”, como quem fala de um programa de televisão. E ela sabia pouco do que dava ou não dava, só sabia que precisava de algo que desse. As poupanças de uma vida (a do pai) serviram ao investimento inicial e a falta de experiência dela fez o resto.

 

- Olá vizinha!

 

Ao lado da loja dela ficava a das gomas, que geria o Frederico no lugar da sua avó. Ela a vender discos externos, o Frederico na loja das gomas. O Frederico com o curso técnico informático, ela com uma vida de treino a comer doces. Ah, as graças da vida.

 

De cabeça enfiada no telemóvel nem deu troco ao Frederico. É que tinha mesmo de responder à mensagem do Luís:

 

“Tenho saudades. Vemo-nos logo à noite?”

 

O Luís era o namorado da mãe.

 

 

Comenta e Decide

 

O que reponde ela ao Luís?

  1. Sim
  2. Não.

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

30
Nov16

Este blog não é sobre livros #10

Maria das Palavras


Os livros muito bons têm poderes mágicos. Dão-te vontade de escrever.

É a primeira vez que escrevo esta rubrica sobre um livro que não acabei ainda de ler. É porque não interessa. Aconteça o que acontecer nas últimas cem páginas este livro já me tem na mão - não sou eu que o seguro, ele segura-me a mim

Creio que foi também uma estreia que um livro me tenha surpreendido logo no segundo capítulo. Eu sei dizer porquê: porque me chateei quando percebi que o livro era uma sequência de contos. Só que não era.


Nem vou dizer mais nada. Só interessa se o lerem. Só percebem se o lerem. Só se apaixonam se o lerem.

Pela terceira vez este ano provo um aclamado autor português. Um dos "da moda". É a segunda vez que me apaixono. Que boas notícias para a literatura portuguesa: ter quem assim lhe acrescente valor. 


[Obrigada, meu Moço. Não tens de te chatear mais. Prometo que a partir de agora ponho à frente da fila os livros que foste tu a escolher para mim.]

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

29
Nov16

Ai Shilpa, Shilpa...

Maria das Palavras

Olha, filha, a primeira coisa que tenho a dizer é: descansa, eu às vezes também finjo que sei de coisas que afinal não sei. Penso, aliás, que passo a maior parte da vida a fazê-lo (se é que não passamos todos). A diferença é que ninguém publica as minhas baboseiras num jornal. 

Ora a Shilpa (uma atriz que por mera coincidência é também uma participante no Big Brother do Reino Unido) é autora da seguinte nota num jornal indiano:

 

CyVJLfiUAAEZV0D.jpg


A argolada explica-se bem. Ela recomenda os livros do Senhor dos Anéis, Harry Potter, as Mulherzinhas e Animal Farm a crianças, como parte do programa escolar. Acrescenta ainda que Animal Farm lhes pode ensinar a tratar bem dos animais. 


Se nos primeiros livros a opinião dela é discutível (não sei em que idades estaria a pensar), o último é uma pérola. É um livro de George Orwell sobre revolução e tirania. Os animais servem de metáfora, mas mesmo levados literalmente falamos de porcos que geram uma revolução contra o Homem que não os alimenta e deixa as vacas morrer de fome, mas quer o seu leite - eu também não li, isto tirei mais coisa menos coisa da crítica à Shilpa e da wikipedia. Seja como for, assim às primeiras dá para ver que isto não se qualifica como "tratar bem" e o que se verifica mesmo é que ela não leu o livro - os livros, como admitiu depois.


E o que eu quero não é evidenciar a argolada da rapariga, mas sim a criatividade dos comentadores que me fizeram rir à bruta. Pois se ela tomou um livro chamado "A quinta dos animais" por um livro sobre como tratar bem os animais...podemos levar outros títulos literalmente?

 

 "V de Vingança é um excelente livro para iniciar os miúdos no alfabeto inglês."

 

 "Cinquenta Sombras de Grey é um manual de instruções para impressoras."

  

"PS, I love you encoraja as crianças a comprarem play stations."

 

Acho só fantásticas estas reações. Podem ler mais aqui (onde vi o artigo sobre isto) ou pesquisando a hashtag #ShippaShettyReviews no Twitter. Sou suspeita, não estou nos sapatos dela, mas acho que é humor saudável, que não aleija. Ou então sou eu que tenho os limites muito alargados.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

29
Nov16

De corpinho bem feito

Maria das Palavras

Hoje ouvi a voz da minha mãe, a 124km de distância e sem usar o telemóvel. Decidi que não queria usar casaco. Como acontece a todas as mulheres de roupeiro cheio: não tinha o que vestir. Nenhum dos meus casacos se afigurava capaz de me compor com elegância e eficiência o conjunto já escolhido. Portanto pedi à minha camisola de lã que se fizesse de tão grossa quanto possível. Às vezes, quando temos de fingir felicidade, ficamos um pouco mais contentes. Disse isso à camisola e ela fez-se quente. 
Entrei nos dez graus da manhã com confianças de verão. Às vezes, quando temos de fingir que não temos frio, não temos mesmo. É por isso que as mulheres podem usar saias no Inverno - a meia de vidro não protege, o ego é que sim. Olhei-me na vitrine enquanto passava e ouvi distintamente a voz da minha mãe: lá vai ela, em corpinho bem feito

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

29
Nov16

Tudo sobre rodas?

Maria das Palavras

campomoto4.jpg

 

Esta é mais uma daquelas coisas que provavelmente não teria experimentado se a Odisseias não existisse. Sei que é difícil convencer o Moço para alinhar comigo em experiências de muita adrenalina, mas ele não foi avesso à ideia quando lhe mostrei este voucher. Aproveitei para marcar logo, antes que ele mudasse de ideias. No final de contas quem quase mudou de ideias fui eu...eu explico!


Experimentar uma Moto 4 pelas paisagens de Santarém, com o Moço, pela mata, parecia-me uma ideia idílica. Desde a marcação percebemos que o Carlos era a pessoa certa para fazer esta experiência. Além de ser super simpático e ter conseguido arranjar para nós uma data que nos coubesse no calendário garantindo sol (acabámos por ir com mais algumas pessoas no grupo, dois em cada moto - mas durante mais tempo - e não me arrependo nada) sabe muito sobre o assunto. Não apenas de mecânica, mas de regras de segurança. Sabia aconselhar, explicar e dizer-nos como haveríamos de tirar o máximo partido daquela aventura. Ora o Carlos também está habituado a alguns participantes mais atrevidotes e fez uma série de avisos acerca de coisas que podem correr mal se formos armados em galifões. Eu não sou de me armar em galifona, mas sou meio naba e por esta altura, olhando para a bicha-moto já dizia baixinho ao Moço: se calhar vais sempre tu a conduzir. 

 

motom4.jpg

 

Antes de começarmos fizemos todos primeiro umas voltinhas no ponto de partida, em oitos às árvores. Fui logo a primeira. Pensei: mais vale saber já se me aguento à bronca. Pronto. Adorei. Em vez de deixar o Moço conduzir o passeio todo (que foi cerca de uma hora) fui logo eu a conduzir a primeira metade e tudo. Gostava de vos mostrar a minha perícia, mas o Moço não quis filmar enquanto andávamos. Pensando bem até é melhor assim, porque certamente me iam querer contratar para competição e eu não me quero meter nisso. Mas eu filmei, quando ia sentada atrás dele, ele a conduzir, vejam lá só um bocadinho: 

 

 

Passeámos, vimos tocas de raposas e ratos dos campos, subimos, descemos, rimos. Logo combinámos que haveríamos de repetir, levar mais amigos - sei que vão adorar também. Deixo-vos o conselho de experimentarem também (e aconselho vivamente a M4). Mesmo que achem que não é bem a vossa praia, podem ir a dois, como eu fiz, experimentar e se houver medinhos ir só à boleia, que também é bem bom. E, claro, é mais uma bela sugestão para oferecer no Natal, já que todos os dias me tem chegado uma catrefada de gente ao blog a pesquisar por prendas para homens. 

 

Esta experiência está disponível com este voucher e incluída em vários packs Odisseias, nomeadamente o Boas Festas:

 

Pack Boas Festas Odisseias - Sugestão Maria das Palavras

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

28
Nov16

Dois dedos de conversa #62

Maria das Palavras

Enquanto ele trata dos restos do jantar eu decido fazer algo que combine (fora da cozinha, que já tinha feito o jantar) e ver um pouco de trash TV. Ele chega a meio de um brilhante episódio de Catching Kelce, onde basicamente um molho de miúdas luta para ser a escolhida "para casar" com um jogador famoso da NFL (giro, por sinal). O conceito é fabuloso (#sóquenão) visto que a questão é sempre se ele se apaixona e por qual delas, e ninguém leva em conta (nem elas) se se vão apaixonar por ele. Isso é dado adquirido. E sim, são todas uns canhões. 
Entretanto chega o Moço, eu estava preparada para mudar de canal, mas ele fica a ver o reality show comigo até ao fim, até a gostar da coisa (reparo no sorriso). 


Moço: Tu vês cada coisa...

Maria: Estás a brincar? Tu gostaste do programa! Estavas só a rir. 

Moço: Estava a rir-me para as gajinhas.

Maria: Ai é? 

Moço: Não te preocupes, meu amor. És a única mulher para mim...

Maria: Ohhh.

Moço: ...porque elas estão longe. 

 

tumblr_noasj5MLIS1tv4k5po1_500.gif

large.gif

6401703g69.gif

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

27
Nov16

Vou processar a minha mãe.

Maria das Palavras

A minha mãe não fez um curso para o parto (convenhamos, se fosse para ter formação teria de ser antes uma de planeamento familiar, visto que eu fui feita na noite de núpcias). Não me teve num hospital privado onde o meu pai pudesse ficar (desconfio que ele não queria), nem sequer visitou antes a ala da maternidade, foi assim ao Deus-dará, feita maluca. Ferveu os biberões no tacho (e hoje em dia nem os esterilizadores de microondas servem, têm de ser elétricos). Passava-me a sopa com varinha mágica, a bestinha (aposto que ficava cheia de grumos). Nunca me pôs em cima de um muda-fraldas, o que torna para mim um mistério saber se andava sempre toda borrada - será que nem fraldas tinha? Ou melhor, é possível não ter muda-fraldas e as crianças fazerem cocó na mesma? Fiquei escandalizada quando me disse que nunca me comprou uma forra de ovo que supostamente apoia a cabeça e protege mais do frio. Ainda nem estava preparada para a bomba: filha, nunca tiveste isso do ovo. O meu carrinho não era trio, era só normal, não tinha manhas de transformer. Aqui culpo o meu pai, pelo triste veículo. Secretamente, também o odeio por não ter trocado de carro dele porque teve uma filha. Era mesmo a 4L e pronto, nada de carrinhas com 9 lugares. E sabem quem me tirava as fotografias? O MEU PAI. Foram incapazes de contratar alguém para me registar momentos num ambiente normal para uma criança (como um ninho de palha ou um ovo da páscoa). 

 

Transporte de bebé - Imagem Pixabay

 

 

Ter um filho não exige a disponibilidade monetária ou a preparação exímia que hoje em dia todos nos vendem como certa. Não precisamos comprar tudo o que está na Chicco (e as outras mães têm) e, sobretudo, não precisamos ser perfeitas ou saber e sentir o que está pré-definido por terceiros. O que mudou não foi a necessidade do bebé. Foi - em muitos casos - a pressão da sociedade. Ninguém pode ter um bebé sem um quartinho montado em cores pastel.  Ninguém pode ter um bebé sem sentir que nasceu para ser mãe. Mentira.

Estou mais que ciente que vou comprar e fazer muita mariquice desnecessária um dia que vá ter filhos (sobretudo as mariquices que poupam tempo e dores, que nos dão segurança real ou imaginária), mas quis escrever este texto para servir de lembrete: Maria, não é preciso. Também a "lei" manda ter cortinas em casa e eu nunca as tive, nem fui menos feliz por isso. 

A minha mãe não teve metade das coisas que hoje são "essenciais" e sabe-se lá como, eu sobrevivi. Pensando bem, não a vou processar. Vou-lhe agradecer.

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Pág. 1/7

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds