Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

05
Jan20

A cabeleireira. Com a tesoura. No salão.

Maria das Palavras

O título é só para quem já jogou Cluedo. O medo é real. 

 

Foto de Guilherme Petri no Unsplah - Salão de Cabeleireiro


Eu sofro de um síndrome. Aliás, três.

O primeiro é fobia de salões. Desde a conversa de circunstância, às revistas com notícias da realeza espanhola, às senhoras que vão só lavar a cabeça, tudo me causa troçolhos. 

O segundo é mais grave. Tenho medo de ser assassinada pela cabeleireira. São pessoas que varrem cabelo humano e ostentam tesouras como profissão. Julguem-me se quiserem. Além disso, aturar conversa alheia durante, pelo menos, 6 horas por dia, chamem-me louca, mas é coisa de sociopata.


giphy (9).gif

 

Apesar disso, continuo a não ter o dom de fazer a manutenção cabelo. E ninguém que me ajude. O Moço não corta bem uma courgette, imaginem uma franja. E da última vez que pedi ajuda à minha irmã para me pintar o cabelo, ela, ao lavar, enfiou-me o jacto do chuveiro num ouvido e ainda hoje não recuperei completamente a audição. 

Por isso apesar dos últimos dramas de salão: 

 

1. O dia em que me tentaram partir o pescoço (obrigada Agir, por arruinares esta frase) ou o penteado de casamento em 2017.

2. O terrível episódio da repa em 2018.

3. O corte sobre o qual não desabafei aqui porque desabafei a chorar em 2019.

tumblr_6184afc40ac494c560f6122dc1f6cf79_694545de_5


Tive de voltar. 


Não pensem que me esqueci do último síndrome. O terceiro problema é que sempre que gosto muito de como o cabelo está ou muita gente me elogia o cabelo eu penso: TENHO DE O MANTER ASSIM.

Então. Muito naturalmente. Vou cortá-lo.

tenor (5).gif

Não sei explicar. É como se pudesse ir à cabeleireira e ela efetivamente cortasse dois dedinhos só para aquilo que me agrada se manter mais tempo.

RegularYoungCamel-size_restricted.gif

Pois bem. Depois do episódio de Joãozinho em 2019 (fiquei com o pescoço à mostra, gente! desaprendi como se atava o cabelo!) arrisquei ir ao mesmo salão, porque há lá uma cabeleireira em quem confio e outra que me dá tremores quando diz que um dia me há-de cortar o cabelo mais comprido de um lado do que do outro, que "se usa". É aqui que bate a memória da minha mãe a obrigar-me a vestir calças de bombazine porque "se usa".  Bem me podem dizer que posso chegar lá e escolher a cabeleireira, mas já vos disse que as temo (vejam o síndrome número dois).

 

Pois nesta ocasião cheguei lá e exultei de alegria! A cabeleireira perigosa estava fora e teve de ser a minha favorita a cuidar de mim. Relaxei. Cheguei mesmo a dizer que gostava muito do trabalho dela. 

tenor (4).gif

 

Estava felicíssima, até com a Hola na mão. Até ao momento em que começo a ver que ela está a cortar mais de um lado do que do outro. "Deve estar a meio do processo. Vou-me dedicar à Hola."
Quando termina (cabelo seco e tudo) a minha cabeça é a Torre de Pisa. Inclinada, por mais que eu esteja direita. 

tenor (6).gif

Deixem que vos explique. Eu nunca fui diagnosticada mas desconfio ter um ligeiro OCD que se revela ao nível de combinar a cor das molas da roupa, a roupa interior com a exterior, alinhar comandos e ter tudo paralelo e perpendicular, direitinho na minha secretária. Não estar convencida do lugar certo de uma cadeira que sobra na sala é coisa para não me deixar concentrar no trabalho. 

Portanto imaginem-me num estado permanente de desequilíbrio dentro e agora FORA da cabeça. Alguém já jogou Wii Party? Sabem quando no jogo do Navio, quando depois dos mini-jogos temos de colocar os bonequinhos de forma a que o barco não afunde e ao concluir com sucesso a senhora anuncia BALANCED.

Wii Party


Eu NÃO estou. Estou 24/7 assimétrica e a isto (gesto de juntar o polegar ao indicador) de pegar eu numa tesoura e tratar do assunto. A outra opção é ir à concorrência acertar o cabelo, mas neste momento já creio que tudo possa acontecer nessa outra visita. Prefiro fechar-me em casa  até 2023. 

Não vos maço mais. Só queria que rezassem por mim. 

Um adeus inclinado. 
Maria

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

28
Abr18

É sempre tao divertido ir ao cabeleireiro!

Maria das Palavras

Fui no bocadinho de dia que podia, batia a uma da tarde. Honestamente, esperei dar com a porta fechada para almoço e adiar a visita para outra altura. Mas atenderam-me de pronto sorriso e disseram que aguardasse um bocadinho, oferecendo-me uma revista. Felizmente levei um livro, porque um bocadinho foi um bocadão. Apercebi-me que, pelo menos naquele dia, todas as clientes eram senhoras de certa idade (estamos a falar de bengalas para cima) e portanto talvez aquele ritmo pacato de atendimento fosse para elas até um pouco acelerado. 

 

Devia portanto ter percebido que quando eu disse: "quero cortar. Faça o que quiser desde que eu ainda consiga atar o cabelo" a cabeleireira ia estar sedenta de sangue fresco. Disse logo que não ia tirar comprimento (eu achei que esse era o sonho de todas as cabeleireiras, mas aquela já devia sangrar dos olhos a ver cabelos curtos) mas que ia fazer repa. Fosse lá o que fosse, relaxei na cadeira e deixei-me ir. 

 

e2980b206402a9e2d54bb8b77b68981a.gif

 

Quando percebi que repa era franja já era tarde demais. Tenho mesmo de passar a andar com um dicionário regional. Mas enfim, cumpre-se o sonho da minha mãe de me voltar a ver a cara emoldurada, agora sem os óculos de massa da infância. À medida que ela ia fazendo camadas, ia crescendo o meu terror a ouvi-la a dizer coisas como "isto agora usa-se muito" e "também sei fazer mais clássico, mas também sei fazer assim mais radical".

 

giphy (1).gif

 

Ia trabalhando e dizendo o quanto já me estava a ficar bem, mesmo inacabado. Que eu até parecia mais nova. Disse-lhe que isso não precisava, que eu já parecia mais nova antes. Ela dava-me 24/25, eu ostento os 31 inteiros. Mesmo assim continuou.

Quando finalmente terminou, eu olhei para mim já de cabelo seco era isto: 

Cogumelo BrancoAgora as horas já me baixaram o pelo, já estou a ver a coisa com outros olhos (pelo menos a parte dos olhos que a repa não tapa) e sou capaz de até me apegar a este look até à próxima visita. Quando me esquecer do quanto gosto disto de ir ao cabeleireiro. 

 

giphy (2).gif

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

03
Mai17

Sobre a cabeleireira de Domingo

Maria das Palavras

Eu sabia que em casa me safava melhor (ou pelo menos mais a meu gosto), mas a cunhada queria ir esticar o cabelo e não a quis deixar ir sozinha para um salão de terrinha. Parecendo que não, pode ser mais perigoso que a Buraca à noite. As línguas das mulheres conseguem ser bem mais afiadas que as navalhas de muito vilipendiador. 

 

Como confessei no Facebook ia receosa também pelo resultado. Da última vez que tinha ido a um cabeleireiro desconhecido pentear-me para um casamento tinha saído a parecer uma estrela porno dos anos 80. Antes disso já tinha saído uma vez do salão a parecer que me tinha lambido uma vaca - eu já tenho o cabelo com tendência para a oleosidade, ela deve ter pensado: olha vai já com aspeto oleoso daqui, que assim não piora ao longo do dia. Assim sendo, dos últimos dez casamentos a que fui, em oito penteei-me eu e fui bem mais feliz. 

 

Tenho uma política de julgamento de cabeleireiras que reza assim: diz-me como te penteeias e dir-te-ei quem és. E ela estava sobejamente despenteada para não me reforçar os níveis de confiança - apesar de ter ela própria um batizado nessa tarde. Nada prometia. Pelo que decidi simplificar muito. Nada de penteados. Lavar e secar. Mas em vez de esticar direitinho, pedi que me ondulasse ligeiramente o cabelo, para dar volume. 

 

De forma que quando a cabeleireira acabou o serviço e me perguntou se eu achava que tinha volume demais, eu disse com o lábio a tremer: o cabelo depois baixa. Mas só me ocorria uma palavra. 

 

Manjerico

 

Manjerico.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

04
Abr17

A cadeira mais desconfortável do mundo.

Maria das Palavras

Qual é? Aquela típica de plástico das esplanadas que abana com o peso? A do dentista? Uma cadeira de tortura medieval com espinhos de ferro ao nível do traseiro? Nop. Tentem de novo: é a cadeira do salão de cabeleireiro, onde nos lavam o cabelo. 

cosmo_shampoo_sliding_animation_0_LG.gif

Ora este fim-de-semana decidi que ia ao cabeleireiro - um novo, já que ando deslocada de tudo o que conhecia. Ora chega-se a parte de lavar a cabeça e uma pessoa fica logo com os nervos do pescoço a titilar. Sabemos que vai doer, mas normalmente passa rápido e é amenizado por massagens no couro cabeludo.

 

Qual foi o problema desta vez que me faz trazer o assunto da cadeira à baila? Eu explico. Vocês sabem os condicionadores de cabelo? Que servem para hidratar as pontas? É suposto ter aquilo no cabelo 2-3 minutos antes de enxaguar. Ora quem tem 2-3 minutos no banho para aguardar? Ninguém! Além disso, eu, no banho estou SEMPRE a enxaguar. Mas um enxaguamento integral, senão ganho frio. Portanto o cabelinho estava essencialmente desidratado e a cabelereira decidiu pôr-me a fazer uma cura com toalhas quentes (não sei, não perguntem). Só sei que ela diz "pronto, fica aqui então um bocadinho a relaxar, que está deitada e tudo". 

 

nXcbxh8.gif

 

A relaxar? Naquela cadeira do inferno? Sabia que era castigo por não hidratar o cabelo, mascarado sob forma de tratamento. Enfim. Pensei que não podia ser muito mau, afinal têm de liberar a cadeira para outras clientes, que é Sábado e a fila tem de andar. Só que não estavam com pressa nenhuma. Vem ela e...humedece a toalha outra vez e diz que fica mais um bocadinho. É neste momento que me torno religiosa e começo a rezar pelo fim da minha provação.

 

1166.gif

 

Ao fim de um tempo a pessoa deixa de sentir o tronco e as coisas melhoram. Ok, pensei, sou só uma cabeça. E como me vão pentear, talvez até dê um busto bonito e me deixem ficar a adornar o parque. Ela aproxima-se e eu adivinho o fim do sacrifício. Vai que me troca a toalha outra vez, a safadona! E não contente com isso, começa desta vez a pressionar-me a cabeça com as mãos. O que é fantástico quando estamos numa cadeira com uma divisória ao nível do pescoço, que parece efetivamente capaz de nos deixar deixar tetraplégicos. Entreguei a alma ao criador (já que desde há uns minutos atrás tinha-me tornado devota) e aguardei para ver São Pedro. 

 

E parou. Finalmente parou. Creio que mesmo, mesmo antes de eu ver o portão dourado.

Já foi há uns dias e só agora sei que no fim até saí com o cabelo bonito - na altura tinha o sangue a voltar à cabeça e, portanto, a vista muito turva. 

 

sweat.gif

 

Se eu sou uma exagerada? Pode ser que sim. No entanto, se a primeira alminha me explicar porque é que aquelas cadeiras têm almofadas duras (quando têm) que nem cornos de bode velho, eu nunca mais falo deste assunto. Está prometido...Não está não...

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

30
Jan17

O dia em que a varredora de serviço me cortou o cabelo.

Maria das Palavras

raw (2).gif

 

Sou tão boa com caras (#not). Creio que já vos disse que sou meio distraída. Posso passar pela minha mãe na rua e não a conhecer (pouco provável, já que moramos em cidades diferentes). Tem muito a ver com o ir focada na minha missão e desatenta ao resto, mas noutros casos tem a ver com eu ser péssima com reconhecimento facial...Nunca me acontece o momento "acho que conheço aquela pessoa de algum lado". Ou se acontece, é por exemplo alguém com quem trabalhei com dez anos e devia conhecer de cor e salteado. 

 

Conto isto porque fui ao cabeleireiro aqui da rua, onde já fui umas...5 vezes em dois anos. Em 2016 fui apenas uma vez, mas tendo em conta que quando pedi à minha irmã que me pintasse o cabelo em casa perdi a audição por causa de água no ouvido e quando pedi ao Moço fiquei com a parte da frente do cabelo malhada ao melhor jeito Cornélia, propus-me a ser mais regular no salão (odeio) num futuro próximo. Estavam apenas duas pessoas a trabalhar, que reconheci logo. Uma era a cabeleireira mais velha lá do sítio, a outra era uma rapariga que costuma andar lá só a varrer o chão e lava os cabelos às clientes quando há muito afluência - faltava aquela que me costuma tesourar e que até tem o mesmo nome que eu, pelo que a conheço bem.

 

Ora bem, quem avança para cuidar de mim é a moça que só costuma varrer o chão...tudo bem, para já era só escolher a cor certa e pincelar, há-de fazer melhor a pintar que o Moço. Foi eficaz, a tinta lá absorveu em tempo suficiente para a terra dar a volta ao sol, e a seguir chamou-me para lavar. Lavar era coisa que ela já fazia de vez em quando por isso não estranhei. Achei que chamasse a outra cabeleireira quando fosse para cortar...

 

Só que não. E aí entrei num pânico ligeiro, mas pensei: se ela vai fazer isto é porque sabe, deve ter tirado a formação há pouco tempo. Cheguei mesmo a pensar: ora bem, se ficar mal cresce outra vez. Ela começa a cortar as minha belas madeixas ruivas e eu em olhares de socorro para  a cabeleireira mais velha - que nem olhava para nós, a ver se a outra estava a fazer bem. Inacreditável! Deixar assim a novata à vontade...Não sabia se isso era motivo para descansar ou enervar-me. 

 

giphy.gif

 

Tinha-lhe dito que queria franja, não direita, mas um pouco de cabelo mais curto à frente a cair de lado (isto quanto menos cara se vir, melhor) e ela pergunta-me por onde deve cortar. Ai! Por onde?! Mas ela é que está a cortar, já lhe expliquei o efeito que queria, se ela não sabe a técnica eu também não saberia. Confiei (que remédio!) e ela fez exatamente como eu tinha em mente. Até senti necessidade de lhe dizer que estava impecável ("bom trabalho"), como quem dá uma pancadinha nas costas e motiva. Para iniciante, ficou um mimo.

 

Quando ela já me está a secar o cabelo é que olho bem para a cara dela e penso como é parecida com a outra cabeleireira que me costumava atender. Seriam irmãs? Não. Antes de secar o cabelo todo eu já me tinha apercebido: era ela! Era a minha cabeleireira e não a rapariga que varre o chão! Essa é que não estava lá...

Claro que todo o drama se passou só na minha cabeça, mas mesmo assim, fiquei tão envergonhada que eu, a Maria-não dá-gorjeta, arrendondei a conta de 32,5€ e lhe paguei 35€ sem querer troco. Quando me voltarem a perguntar que super poder quero, já não vou hesitar entre a invisibilidade e o teletransporte. Direi sem dúvida: o dom de reconhecer pessoas. 

 

P.S.: 'Tou linda.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D