Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

16
Set19

O dia em que uma sala de cinema me cuspiu em cima

Maria das Palavras

Então queríamos ir ao cinema ver o IT (que é bom, mas em termos de terror é uma palhaçada - literalmente). E o melhor horário era o da sessão 4DX no GaiaShopping. Não pensei muito no assunto, achei que fosse tipo IMAX ou assim e, mesmo sendo caro o bilhete, ficava como uma experiência. Mal sabia eu para o que estava guardada. 

 

giphy (18).gif


Não sei se já vos disse, mas toda a vida odiei pipocas - sabem-me a clara de ovo. Ultimamente, têm-me apetecido. As pessoas mudam. Às vezes para melhor, outras vezes, para engordar mais. Portanto, Maria vai de pipocas e Coca-cola sentar-se na cadeira de cinema, quando...esta começa a saltar. A cadeira, entenda-se, que eu só me mexo se houver muita necessidade.

 

giphy (19).gif

 

Talvez seja óbvio para muita gente que não vale a pena levar comida e bebida para uma sessão de 4DX, mas entendam que eu não sabia o que era. Calha que se tratam de duas horas de cadeiras a abanicar ao sabor das imagens do filme. Portanto nos primeiros dois minutos metade das pipocas ficou no chão e a cola perdeu o gás.

Explicando, para leigos, como eu era. O 4DX tenta replicar as sensações do filme. A cadeira salta e balouça nas cenas de movimento, molha-te se a personagem se molha, entra um odor estranho, se as personagens entram no esgoto, e passa um vento se estão ao ar livre.

Ora se eu quisesse apanhar com vento não saia de Espinho, não é?
E no geral, se eu quisesse sentir que estava ao relento, ia acampar em vez de ir ao cinema.

HkLTaA1.gif


Depois levo muito a mal que a sala me cuspa em cima, que basicamente foi o que aconteceu. Crianças a chapinhar na água? Jatos húmidos na cara. E já agora em cima das pipocas - ainda estou eu a habituar-me a gostar delas e o cinema quer-mas por logo moles.

Para ajudar na festa, tínhamos acabado de jantar, pelo que o Moço (que abomina qualquer semelhança com parques de diversão e já acha radical passar com o carro em lombas a baixa velocidade) vaticinou logo: vou ficar enjoado. 


Acresce que no dia anterior eu tinha ido a um casamento e apesar de não beber alcoól (logo não estar de ressaca), nem ter chegado a horas vergonhosas a casa, a idade já não perdoa e acordei com uma dor de costas. Adivinhem o que é supimpa para a dor de costas?

CADEIRAS SALTITANTES.

Durante as quase três horas que levou o filme.
Então, mas não é excitante, a sensação de acompanhar o movimento do filme? É sim, senhor. Durante certa de sete minutos e meio. Depois, mói.

 

giphy (20).gif


E no fundo, foi só como estar a ver o filme no sofá de casa, porque o Moço, nunca pára quieto um segundo enquanto vê televisão. A frase que mais lhe digo nunca foi "amo-te", sempre foi "Podes parar um bocadinho?!". De maneira, que quando o filme acabou a nossa conversa foi esta:

Maria: Eu queixo-me que tu nunca estás quieto e depois pagamos uma fortuna para me sentar em cadeiras saltitonas no cinema.

Moço: No fundo, comigo, a tua vida é 4DX.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

15
Out18

Um Crime no Expresso do Ocidente

Maria das Palavras

Ultimamente tenho andado a sonhar com viagens tipo o ex-Expresso do Oriente ou a bordo do comboio Transiberiano. Basicamente noites passadas no comboio em destinos exóticos. Deus a provar que existe ouviu as minhas preces e mandou o Leslie para me fazer viver esta experiência inolvidável: uma noite no Intercidades entre Pombal e Espinho. 

 

giphy (8).gif


Vamos lá ver, porque considero que são esperiências semelhantes.

-  Passam-se num comboio.

 

giphy (10).gif

  

E de facto a semelhança reduz-se a isso. De resto, a viagem que devia durar 1h20 durou 9h (até às 8h30 da manhã do dia seguinte). Antes que digam que "o burro sou eu" porque não era noite para viajar...bem (é verdade), pensei nisso, mas o bilhete já estava comprado, as viagens não estavam interditas, o comboio não estava a chegar de Lisboa com nenhum atraso anormal e a linha estava transitável já numa hora que era suposto cair o céu e a terra. Não contei foi com a falha de eletricidade que demorou horas a resolver nas estações desde Alfarelos à Pampilhosa. 

 

Não estou a queixar-me de ninguém (senão de mim), nem da CP, nem da tempestade, só queria partilhar convosco esta jornada, caso alguém decida começar o seu Interrail por aqui - aconselho tanto. Afinal foi fascinante, sinto-me capaz de escrever um livro, com os seguintes capítulos: 

 

  • 80 posições para tentar dormir no comboio (e mesmo assim não conseguir)
  • Nunca saia de casa sem bateria e filmes descarregados no Netflix
  • Treino de bexiga para não ter de usar WCs de comboio em tempos de crise
  • Técnicas de relaxamento para ouvir cinquenta vezes "Lamentamos o atraso...sem estimativa..."
  • Snacks saudáveis para passar a noite num comboio sem serviço de bar
  • Como manter a família tranquila quando se está no meio de nada por tempo indeterminado
  • Variações sintáticas de "Está tudo bem, ao menos estava segura"

 

its-ok-gif-10.gif

 

E o crime, perguntam? Foi só mesmo uma tentativa de assassinato da minha sanidade mental. Mas sobrevivi para enlouquecer noutro dia. 

 

É possível que isto tudo tenha sido resultado dos Stories que fiz na viagem de ida, nessa manhã, onde me vangloriava de ter ficado num assento com eletricidade (estão a ver a ironia?) e mostrava ao mundo o meu companheiro de viagem. O mau olhado pega forte no Intercidades. 

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

23
Abr18

Achado não é roubado?

Maria das Palavras

gangster-539993_1280.jpg

 

Como sempre, muito adiantada, encomendei antes do final de Março as prendas criteriosamente selecionadas para o Dia da Mãe (para a mãe e para a sogra) num site online onde já tinha encomendado isto e aquilo. Sim, o dia da Mãe que aí virá em Maio. Já estabelecemos que sou apressada e que só não planeio com antecedência o que não me deixam, deixando a óbvia margem de manobra para oh sh*t


Ora tratando-se de quase fim de Abril, lembro-me (só agora que a cabeça não dá para tudo) que nunca mais recebi a encomenda. Vou ao site e confirmo que já foi entregue há semanas...na minha morada de Lisboa - onde não moro vai para um ano. 

 

Portanto alguém na sua vidinha recebeu em casa com o MEU nome (e não vou insistir, mas tenho bastante certeza que a nota de encomenda até leva nº de telefone) um leque de artigos que fazendo as contas dava-me para jantar fora duas vezes assim a lambuzar-me toda com o Moço num sítio bom, porque, caramba, tinha mesmo pensado bem no que dar às mulheres da nossa vida. Não contactou a marca, não devolveu aos correios. Fez que se tinha esquecido ou que achou que era prenda do amigo secreto de Natal a chegar em Abril?

 

Eu sei que a tolice foi minha, que assumi simplesmente que já teria corrigido a morada naquele site e devia ter tomado atenção.  Mas sinto que foi feito um daqueles testes de deixar cair a carteira num jardim a ver o que as pessoas fazem e os novos habitantes da minha antiga casa chumbaram. Resta-me esperar que aquela racha que havia no quarto e o tornava húmido no Inverno lhes tenha dado tosse. Gangsters.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

13
Fev18

De Londres a Lisboa são 15 horas* - Parte III

Maria das Palavras

*Afinal são 19h.


Este era o texto que eu nunca sonhei escrever. Depois da grande aventura do regresso de Londres que relatei aqui e aqui, escrevendo para vocês sentada no segundo aeroporto do dia, na segunda tentativa de regressar a casa. Eis o que sabia nesse momento: 

 

1) Que o meu voo inicial tinha sido cancelando mesmo no momento em que íamos levantar voo por causa de uma "luz" que acendeu e não sabiam como apagar.

2) Que tinha um voucher de dez libras para conpensar a fome toda que poderia ter entre as 10h da manhã e as 19h55 (hora esperada de início do voo seguinte) que não ia chegar.

3) Que já tinha gasto o dinheiro que devia ter sobrado para comida em compras desnecessárias em dois aeroportos diferentes. 

4) Que às 22h30, correndo tudo bem, já estaria em Lisboa. 

 

115qni.jpg

 

Uma otimista, é o que sou. Eis o que nessa altura ainda não sabia:

1) O voo de remendo ia atrasar tanto que não chegaria a Lisboa antes das duas da manhã.

2) A TAP ia proporcionar-me uma experiência "conheça as caraíbas a bordo do avião".

3) A minha bexiga tem uma capacidade super-humana. 

 

Não constitui grande supresa para mim que o embarque do segundo voo que me arranjaram, noutro aeroporto, depois de cancelarem o primeiro, se atrasasse. Era um voo de fim-de-dia. E afinal, já tinha esperado 9 horas para entrar no avião de volta a casa, o que era mais uma?

 

1488023787.gif

 

Entramos, sentamo-nos, o avião começa a mover-se para a partida. Tudo são rosas. Até que a voz do capitão ressoa no avião e diz: Senhores passageiros, devido a um problema técnico, vamos voltar com o avião à porta de embarque. 

 

anigif_enhanced-buzz-4817-1355686653-2.gif

 

Não, caro leitor. Não é o mesmo post que escrevi há dois dias atrás. Nem o mesmo avião. É todo um avião diferente, no mesmo dia. Dois aviões, duas tentativas de regresso, dois aeroportos, duas avarias? Qual é a probabilidade? O meu pai disse mais tarde que talvez eu tenha o dom da minha mãe. Sempre que ela escolhe uma caixa no supermercado, há qualquer coisa que bloqueia a caixa (alguém com um produto sem código de barras, um problema no pagamento, etc etc). Uma comparação que é um eprfeito disparate, porque o meu poder é bem maior: dou cabo de aviões. 

 

W2SShWG.gif

 

Durante horas aguardamos sentados nos nossos lugares, com a tal recomendação de manter o cinto, ardendo no calor das Caraíbas - o problema desta vez era o AC. As assistentes de bordo iam trazendo água e mais água. Suava por todos os poros, sentada à janela, com dois ingleses ao lado. Primeiro não me podia levantar porque tínhamos recomendação para estar sentados, depois tinha as barreiras psicológicas de incomodar o casal inglês e de usar as WC de um avião, coisa que me parece sempre um exercício à minha inteligência (a torneira liga se levantares  braço esquerdo acima da cabeça, a porta abre se vires o pino encostada à parede esquerda e coisas assim). De maneiras que com a bexiga cheia de água me aguentei firme as horas que foram precisas até chegar a Lisboa. 

 

Umas três horas depois do marcado, quando lá chega a peça do AC para voltarmos a temperaturas humanas e arrancarmos, já eu tinha chegado à conclusão que podíamos ter voado com o AC assim porque de qualquer forma, passamos tempo equivalente à viagem fechados no avião...Mas se achavam que íamos partir logo, acalmem-se: ainda vamos repor combustível. Felizmente ninguém se lembrou que já agora aproveitamos e damos uma pintura nova ao avião, senão nem hoje cá estava. Eu estava num state of mind de quase-loucura. Entre a paciência, a incredulidade e o despero. Mais ou menos assim:  

 

giphy.gif

 

A viagem decorreu com a normalidade possível para um grupo de pessoas que suaram o seu peso em bica e agradecem a Deus a ligeira constipação que apanharam no frio de Londres. Quando chego ao aeroporto de Lisboa, contive-me para não beijar o chão. Também ajudou o facto de ir com a bexiga a rebentar e ver à minha frente um autocarro ainda para me levar ao terminal certo. Tende piedade de nós, senhores, não se arranjava uma mangazita de aeroporto para esta gente que qual Moisés atravessou o deserto (versão sentada)?

 

anigif_enhanced-20662-1409176167-11.gif

 

Enfim. Cheguei morta, mas não literalmente, o que a julgar por todos os incidentes, foi uma vitória pessoal. E quero fazer notar que apesar de ter tido o imenso azar que tive neste dia com dois voos da mesma companhia, esta saga de posts não pretende relatar nenhuma queixa. A TAP continua a ser a minha companhia favorita (devo ser masoquista)  o que pode ser o chocolatinho Regina que me deram a falar. Tento não ser como as pessoas que esquecem de tudo de bom que se passou antes, porque mancham o passado com uma má experiência - mesmo que neste caso tenham sido más experiências em cadeia. Como daqui a uns dias vou voltar a voar com a mesma companhia, ficam à vontade para reforçar a minha opinião positiva...sei lá, oferecendo-me um upgrade para primeira classe. #ficaadica

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

12
Fev18

De Londres a Lisboa são 15 horas - Parte II

Maria das Palavras

(Primeira Parte aqui...)

 

Bonito. Estava super confiante no "vamos ver como apagar a luz do painel". Nisto, voltaram a andar com o avião para o estacionar. A tripulação começou a servir águas para a secura do pessoal, sendo que como continuavamos proibidos de nos levantarmos não terá sido a coisa mais esperta a fazer para uma série de bexigas. Fala o responsável novamente para dizer que as luzes se vão apagar por um bocado porque vão tentar ligar e desligar o sistema...portanto a solução informática. Parecem-me especialistas. 

 

transferir.jpg

 

Neste ponto eu já só queria que continuássemos com a luz acesa. Queria regressar à minha terrinha e estava capaz de assinar um termo qualquer de responsabilidade a dizer que sim, fui eu que pedi para apagarem a tal da luzinha do painel e me sujeitava ao regresso sem resolução do que fosse que a tivesse acendido. 

 

giphy.gif

 

Só que ninguém me ofereceu essa saída. Ofereceram-me foi a porta do avião. Senti logo que estavam a acabar comigo de mansinho. Primeiro vai para ali, que no lounge do aeroporto estás mais confortável. Depois sim, a notícia que não ia dar entre nós. Estava esfomeada porque tinha saído à pressa do hotel sem tomar pequeno-almoço e não comi no aeroporto para ter fome para a comida do avião. Portanto, sem ter comido e enquanto esperava notícias corri a ir buscar comida. Quando regresso, estão a dar vouchers para quem quiser ir buscar comida à borla. Fixe. 

 

tumblr_m8nbap8Zsu1rrjuv5.gif

 

Foi o tempo de acabar com a comida que PAGUEI para ter a tal notícia: o voo está cancelado. Disseram qualquer coisa como "agora vamos levar-vos à saída e vão remarcar o voo com a companhia" mas eu só ouvi "safem-se". Numa fila que avançava uma pessoa a cada 20 minutos, com 40 pessoas à frente (e mais umas 40 atrás) para remarcar voo liguei para a TAP. Ao fim de 23 minutos de espera alguém me resolveu o problema. Aceitei o voo no aeroporto do outro lado da cidade, pois claro, melhor que nada e saí da fila, para me meter num taxi onde deixei a herança que nunca tive para chegar só ao comboio que me levaria ao segundo aeroporto. 

 

Se acham que acabaram os problemas atentem nisto: tinha comprado algumas coisinhas no Duty Free do primeiro aeroporto. O que significa que tinha agora excesso de bagagem e...excesso de líquidos. Nada de perfumes, líquidos de gente pobre, mas não tanto que fosse deitar fora. Lá um inglês na fila da TAP que me chamou princess (tudo bem, já estava por tudo) me ajudou. Pediu à menina do guichet para me pôr a mala de mão no porão e sugeriu-me que trocasse umas coisas de forma a que os líquidos fossem para lá. Muito agradecida, escarrapachaei a mala ao pé deles, de onde saltaram logo as cuecas que tinham sido as últimas a entrar, seguidas de uma meia de dormir rota no dedão. Fiz as trocas e baldrocas, tendo de usar um segundo saco de desporto que tinha sido uma borla que hesitei em trazer do sítio onde tinha estado nos últimso dias (um saco feio e bambo, de ginástica). Fiquei com saco e mochilinha, onde tinha já os meus líquidos. Despachei a mala, onde tinha os líquidos em excesso das compras que tinha feito.

 

Heavy-Luggage.gif

 

Fui para a filinha dos tristes, onde verificam a bagagem, muito descansada - ou tanto quanto podia estar depois de tanta aventura. Só até me lembrar que o pack de SEIS vernizes que comprei também calha a ser o quê? Líquido! Lá fiz a ginástica número dois para os separar e encaixar na minha bolsa de higiente. Coube tudo, não sei bem como, nem quero olhar agora porque posso ter um desodorizante pintadinho de verniz vermelho. 

 

Agora aguardo. Não sem antes ter deambulado pelo aeroporto, fazendo compras de chocolatinhos e inutilidades para mim e para a família que me desgraçaram até ao fim do mês - sendo que é só dia 10 no momento que escrevo e tenho uma viagem (férias!) na última semana para me desgraçar ainda mais. Estou cansada, farta, despenteada, carregada. E continuo a achar que arriscava em ir com a luzinha do painel aceso. Mas a minha mãe não deixava.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

11
Fev18

De Londres a Lisboa são 15 horas - Parte I

Maria das Palavras

Eu sabia que a viagem não podia ser grande espingarda porque ia estar uns quantos dias em Londres sem tempo nenhum para visitar a cidade. Está bem que já conhecia (até já publiquei aqui um guia rápido) mas ir cumprimentar o Big Ben nunca fica mal. 

 

Claro que começou a correr pior quando percebi que ia ficar num hotel com condições desumanas. Porque tinha um cheiro estranho? Porque tinha lixo debaixo da cama? Não. Porque só dava 30 minutos de wifi grátis por dia. E não vale a pena esperar pela meia-noite, porque a próxima meia-hora era mesmo só 24 horas depois. 

 

We+dont+have+wifi+here_f00ef5_5066444.gif

 

Ontem apanhei um taxi para ir jantar ao sítio combinado, com as pessoas necessárias, à hora que Deus designou para o Homem dormir e não para começar a comer (22h). O senhor taxista tinha ar de quem me ia esfolar viva para vender no Camden Market em sandes mas no fim até foi simpático e deu-me o número dele para o caso de precisar de regressar entretanto. Felizmente. Porque dei por mim sem telemóvel. Tinha ficado no banco do táxi. E não fosse o brilhantismo do homem a dar-me o número numa tentativa de superior exploração do cliente...tinha ficado logo aí bem embrulhada a viagem. Tinha o número, liguei do telefone de um colega, em pouco tempo ele deu a volta e devolveu-me o telemóvel. Nem me lembrei de lhe dar gorjeta. Não sou de dar gorjetas (acredito que as pessoas praticam o bem e a simpatia porque sim). E talvez tenha sido ele a rogar-me a praga de hoje. 

 

giphy (1).gif

 

Acordei às 7h, mesmo pertinho do aeroporto de onde ia voar. Se tudo correr bem, chegarei às 22h30 a Lisboa. Isto porque escrevo ainda do aeroporto (mas já não é o mesmo) e estou sem internet porque o wifi não está a colaborar (e surpresas?). Logo não vou publicar isto em tempo real. 


O pior foi mesmo que estava tudo a correr bem. Eu já sentia o almoço em família em Lisboa nas papilas gustativas, um abraço ao sobrinho, a seguir a fugida para estar com o meu pai, aniversariante esta semana, e no dia a seguir o regresso a casa tranquilo. Check-in, embarque, e tudo e tudo. Fiquei no lugar da saída de emergência e estava com muito espacinho para as pernas...até que a senhora do outro banco me pede para trocar para ir naqueles quatro lugares com a família toda de quatro (pai, mãe e duas crianças). Sim senhora, olha para mim a ser querida. Mudei. Mas só até vir a assistente de bordo lembrar que naqueles lugares de saída de emergência não podem entrar crianças. Troquei outra vez. Viva a dança das cadeiras. 

 

HollowJubilantEthiopianwolf-small.gif

 

Avião em pista, arranca com toda a força e ali mesmo antes de levantar...trava! Como a pista não era enorme supos que fosse azelhice do comandante. O que não é espetacular para quem vai atravessar o mar com ele a pilotar, mas ao menos é algo que me permitiria estar em casa menos de três horas depois. 

Pois bem, fala o capitão logo para dizer para ficarmos calmos...o que é logo coisinha para deixar a pessoa em pânico.

 

2iMo6U5.gif

 

Eu, felizmente, não tenho medo de voar, e portanto estava numa atitude muito: sim, sim, despacha-te lá. Fala ele novamente então para explicar que havia uma luzinha no painel que acendeu antes de levantar voo e iam ver como apagá-la. 

 

(Continua...)

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

01
Set17

Dos dias em que tudo acontece.

Maria das Palavras

O primeiro fim-de-semana de Setembro é sempre um daqueles momentos do ano em que me dava jeito o poder da multiplicação, da omnipresença ou do teletransporte. Desta vez, são 4 eventos em 3 dias. Em 4 pontos  diferentes do país, nenhum deles separado por menos de 100km, alguns por quase 400km. Todos de importância extrema. Não vou poder chegar a todos e, à data que escrevo (impossível que fosse hoje) prevejo discussões com o Moço acerca das prioridades e da ideia de que chegar a tudo é igual a não aproveitar nada. Desejem-me paciência, genica e preços baixos nas bombas de gasolina. Não vai ser fácil, isto que era suposto ser bom.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D