Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

22
Jul19

Passatempo | Livro: O Clube das 5 da Manhã

Maria das Palavras

Passatempo - Ganha um Livro O Clube das 5 da Manhã | Blog Maria das Palavras



Há algumas semanas falei-vos das 7 lições que aprendi a ler (na verdade, a ouvir) um dos livros mais famosos em todo o mundo: O Monge que Vendeu o Seu Ferrari, de Robin Sharma. Queria muito não ter gostado dele, porque é um dito livro de auto-ajuda e precisar de ajuda parece uma coisa feia, mas é só uma coisa corriqueira.

Tive muito feedback positivo. De pessoas que gostaram das aprendizagens que partilhei, de pessoas que ficaram com vontade de ler o livro (algumas sei que já compraram e tudo) e de pessoas que já tinham lido e também reforçaram a importância da mensagem do livro.

É por isso que, em parceria com a Bertrand, tenho um exemplar d'O Clube das 5 da Manhã, o novo livro do mesmo autor, para vos oferecer. O passatempo está a decorrer desde ontem no Instagram @mariadaspalavras e podem participar até 31 de Julho.

Participar

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

07
Jul19

Cruzeiro no Douro VS Comboio Histórico

Maria das Palavras

Cruzeiro no douro vs Comboio Histórico no Douro - Qual o melhor? Opinião Maria das Palavras

 

Quem está atento ao Instagram sabe o que andámos a fazer este fim-de-semana. Concentrámos as duas semanas de férias que não podíamos ter (e que chegaram a estar marcadas para esta altura) em dois dias. Escolhemos passá-los a fazer algo de que já falávamos há muito: o cruzeiro do Douro. decidimos complementar com o passeio no comboio histórico da CP e uma estadia num hotel da região que catrapiscámos há muito (próximo post). 


O Douro não nos é estranho. Já tínhamos visitado Lamego, Régua, Pinhão e muitas vezes o Vale do Tua. Mas foi sem dúvida uma perspetiva diferente. Vou contar-vos aquilo que foi a nossa experiência e portanto aliem a esta opinião o fator de subjetividade e o contexto próprio e irrepetível do soalheiro fim-de-semana de 6 e 7 de Julho de 2019. 


Cruzeiro ou Comboio? Qual foi o nosso favorito?

 

Cruzeiro no Douro - Maria das Palavras

 


O CRUZEIRO

Fizemos a subida do Douro do Cais de Gaia à Régua (há outros percursos) com a Barcadouro. Tem um valor de 82€ por adulto, incluindo refeições e o regresso num comboio da CP até São Bento. 

 

Prós: O percurso é bonito logo desde a despedida ao Porto e entrar nas barragens para fazer o desnível é toda uma experiência. Porto-Régua é até o troço mais urbanizado e ainda assim, vale a pena pela beleza da paisagem. As refeições a bordo (pequeno-almoço e almoço) dão logo um ar de "cruzeiro a sério" à coisa. Está tudo muito bem organizado, excepto...

 

Contras: Ai que é muita gente! Muita gente. Quando estamos todos sentados a comer ainda vá que não vá (embora continue a achar as mesas demasiado pequenas tendo em conta que tínhamos ao lado um casal desconhecido). Mas quando toca a hora de ir ver a paisagem... Jesus. Não há espaço nem bancos suficientes para tanta gente, de forma cómoda. 

 

Dicas: Se são de cá e podem fazê-lo, tentem outra época menos concorrida. Ou: façam a descida em vez da subida. Disse-me lá quem o tinha feito que é incomparavelmente mais tranquilo. Levem casaco para os momentos de frio e chapéu (que se agarre bem à cabeça) e protetor para o sol. Se querem fotos com o barco mais vazio, esperem pelo momento em que as pessoas são chamadas para as refeições, ou esgueirem-se durante as mesmas. 

 

Comboio Histórico do Douro - Maria das Palavras

 

COMBOIO

O comboio parte aos Sábados, até 26 de Outubro (este Verão), às 15h23 da Régua, parando nas estações do Pinhão e do Tua - depois volta para trás. Custa 42,5€ por pessoa.

 

Prós: Tem lugares limitados a um ponto aceitável, fazendo com que não haja gente a mais de forma a estragar a experiência. Tem um encanto muito próprio, complementado com o grupo de cantares, a oferta de vinho do Porto e de rebuçados da Régua. Passa por zonas lindas, imperdíveis do nosso país.

 

Contras: Pó e fumo com fartura (pelo menos nas carruagens que ficam perto da locomotiva (que são a primeira e a última, à vez). Mas faz parte da experiência!

 

Dicas: Se tiverem oportunidade de escolher, marquem lugar na janela do lado do rio. De qualquer forma, terão oportunidade de ir andando pelo comboio e mesmo tirar fotos nas plataformas entre carruagens. E, muito importante (!): se fizerem o comboio vindos do cruzeiro, reparem que a hora de chegada de um e partida de outro pode ser muito colada e terão de ir a pé do cais até à estação. Não é logo ao pé, ainda são uns minutos a subir. Não se distraiam! Já muita gente perdeu o comboio por causa dessa ligação perigosa e depois pagou para ir de taxi até ao Tua!

 

O VENCEDOR

Para mim, foi claramente o Comboio Histórico! Talvez pela restantes condicionantes (que acima expliquei como evitar). O preço não conta para a comparação porque no cruzeiro servem almoço e a distância é maior. 

O cruzeiro é bonito, mas o comboio é mágico. Mesmo com 50% de estrangeiros, respira Portugal. As carruagens de madeira e as de janelas verdes, o apito à chegada e à partida, parar para pôr água na locomotiva. 

Recomendo. Se voltasse atrás, voltaria a experimentar os dois (e acho que quem tenha oportunidade, deve fazê-lo), mas o comboio é o que mais recomendarei no futuro.


Se tiverem questões, a caixa de comentários é vossa. E podem ver mais fotos e mesmo episódios da viagem no Instagram @mariadaspalavras.

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Maria das Palavras (@mariadaspalavras) on

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

02
Jul19

Descobertas do Mês | Junho 2019

Maria das Palavras

Em Maio não houve descobertas do mês essencialmente porque...eu é que mando. Em boa verdade não senti que tivesse algo de relevante a partilhar e o meu paizinho ensinou-me que se não temos nada a acrescentar, ficamos calados a ouvir. Já em Junho, talvez por me ter apercebido das poucas experiências novas que tive no mês anterior, podia ter 30 descobertas de valor nesta lista. Fiz o meu melhor para as reduzir a sete, mas valem mesmo a pena!

1. Local: Pateira de Espinhel

Pateira de Espinhel, Maria das Palavras


Mesmo com eventos marcados em cada fim-de-semana nos lugares do costume esforcei-me para pôr no mapa do caminho de todos eles a descoberta de algum sítio novo. Assim conhecemos a Pia do Urso, ou a Praia Fluvial de Burgães. Mas o meu sítio favorito, foi mesmo a Pateira de Espinhel, em Águeda. Um parque lindo, inpirador, bem equipado. Tanto este como os outros que menciono, mereceram destaque no Instagram. Vão espiolhar por lá.

2. Brunch: Fauna e Flora

fauneaflora.jpg


765 anos depois de toda a gente, foi conhecer um dos "novos" emblemáticos espaços de refeições saudáveis em Lisboa. O Fauna e Flora correspondeu e superou todas as expectativas que levava. Rebolámos dali para fora satisfeitos e a desejar que também abra um Fauna e Flora no Porto.


3. Série: When They See Us, Netflix

tumblr_pqrwa3EUjF1wmrjd4o6_500.gif


Pensei que ia recomendar Chernobyl (HBO), porque de facto foi uma série que comecei a ver sem vontade e à qual me rendi completamente. Mas mais para o final do mês assisti a When They See Us (Netflix) e fiquei ainda mais impressionada. Desde o argumento real e brutal, ao desempenho fabuloso dos atores, à necessidade de partulhar a mensagem da série, tem de ser a minha recomendação. Para mais, espero que esteja para ficar esta tendência das mini-séries documentais, tão bem realizadas e produzidas.

4. Restaurante: Chão do Prado, Loures

Quando vou a Lisboa, fico muitas vezes na zona acima da Expo e é daí para norte que tento marcar quando almoçamos com amigos ou família por lá. Mas nenhum restaurante da zona me tinha apaixonado como o que visitei este mês. Chama-se Chão do Prado, fica em Bucelas (a terra tem nome de doença, mas ultrapassem isso, que a envolvência também é bonita) e come-se bem, mas bem. Desde as entradas, com croquetes de touro e chamuças de pato, às imperdíveis fatiotas de coelho ou frango (o melhor coelho que já provei) até à mousse de chocolate mais leve da minha vida...vão. Vão. Vão! Pagámos 20€ por adulto, lembrando que não bebemos álcool, mas com entradas e sobremesas.

5. Experiência: Casa da Viúva, em Quintadona

 

Casa da Viuva - Quintadona | Maria das Palavras

 

Tive de criar a categoria da experiência para falar de outro restaurante. Mas na verdade, não é um restaurante, segundo logo nos informaram à chegada: é um Winebar. Deixámos que escolhessem o menu de petiscos por nós (podíamos recusar algo que não quiséssemos) e o Moço salvou a honra do convento alinhando no vinho tinto à refeição e do Porto para acompanhar o melhor pão de lá da nossa vida. Foi uma sucessão de petiscos bem portugueses, às vezes reinventados, tão bem confecionados e em quantidade tal que tivemos de recusar os secretos de porco preto. Alem disso o cenário da refeição é lindo. O Winebar Casa da Viúva está perfeitamente integrado na aldeia de Xisto de Quintadona (Penafiel, Porto) e tirei só 1000 fotografias ao espaço (Instagram, gente, todas estas descobertas estão mais do que documentadas por lá). O pessoal também é super simpático, além de me fazer lembrar o meu pai, porque obrigam as pessoas a provar de tudo e a comer de tudo. Não me arrependi, mas saí sem saber de que terra era, de tão cheia.

6. App: Crazy Taxi



Ainda estou de mal com quem sabia que existia o jogo para smartphone e não me disse. Quem sabe do que falo (Are ya ready!?), pode fazer download gratuito do jogo na Play Store (também há para iCenas) e conferir como é exatamente igual ao que jogou nos idos tempos dos jogos para PC que vinham nos cereais (eu tinha um demo). E a jogabilidade no telemóvel é fantástica. A premissa é levar passageiros ao seu destino no menor tempo possível. Experimentem.

7. Futilidade: Macacão da ASOS

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Maria das Palavras (@mariadaspalavras) on


A Asos é o meu site favorito para ir buscar vestidos para casamentos, com a garantia que pagarei pouco (há peças para todos os preços) por uma peça original, com o meu estilo e com muito pouca probabilidade de ir vestida de igual a alguém. Além de que chega muito rápido às nossas mãos! Para o casamento de Junho, foi esta a minha escolha. Um macacão às riscas, bonito, prático e que poderei usar em tantas ocasiões quanto queira (enfio-lhe uns ténis e dá para ir passear em qualquer Domigo).

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

26
Jun19

Dois dedos de conversa #109

Maria das Palavras

Moço: Tive um pesadelo esta noite!

Maria: Ok.

Moço: O mundo ia acabar. E nós estávamos separados. Em sítios diferentes. 

Maria: Hum.

Moço: E estava mesmo a chegar a hora. Eu estava a tentar ligar-te, mas não dava. Então mandei-te uma mensagem a dizer que te ia amar para sempre. 

Maria: Se o mundo estava prestes a acabar, para sempre não era assim muito tempo...

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

25
Jun19

Raparigas Como (eu) Nós

Maria das Palavras

Raparigas como Nós, Helena Magalhães - Lido por Maria das Palavras


Começo por dizer que eu sabia que ia gostar deste livro. Por default. Sigo a autora desde o tempo em que os blogs eram grandes e apreciava a sua forma de escrever, além de que já tinha gostado do primeiro (Diz-lhe que Não). Sabia que ia gostar, porque quando "devia" invejá-la, por estar a viver o meu antigo sonho (da juventude, precisamente) de ser escritora, estive sempre no canto dela a torcer pelo sucesso de uma autora portuguesa, que efetivamente o merece. Esta opinião é portanto, enviesada. E, ao mesmo tempo, totalmente verdadeira.

Este livro foi um verdadeiro regresso ao passado, à intensidade da juventude, numa época muito própria em que a internet e as redes sociais não serviam para dar respostas a nada e as fotos da paixoneta tinham de ser roubadas em visitas de estudo.

Se a Isabel era certinha, eu era 300 vezes mais, sem beber alcóol nenhum, nem pronunciar um palavrão (ainda hoje). Se ela se aborrecia nas festas eu nem sequer queria por lá os pés. Aos 14 ela era o esqueleto, eu era a crânio da turma. Sempre odiei o apelido, mas era pronunciado com um certo respeito (e é se queriam apontamentos!). Aos 17, ela duvidava de um percurso, que eu sabia que queria traçar. Fui uma adolescente diferente da Isabel, com outras vivências, mas todo o cenário e personagens batiam certo.

Discordei das opções da Isabel em pontos do livro, às vezes sem me lembrar que os estava a reviver aos 33 anos e portanto as minhas decisões seriam necessariamente diferentes. O senhor Gil, por exemplo, à luz do presente parece-me muito creepy, quando naquela época teria sido aquele mesmo adulto cúmplice, à margem de qualquer suspeita.

Mas noutros momentos deixei-me envolver completamente e senti o coração a acelerar e a abrandar, com o Afonso, o Simão, a Xana, e, estranhamente, a Marisa das argolas, por quem desenvolvi uma grande empatia. Vi a Helena (a autora) em muitos momentos do livro, tanto quanto posso identificar alguém que não conheço pessoalmente e perguntei-me a cada página onde estaria a realidade e a ficção. Porque sei - estive lá naquela época - que muitas sensações são reais.

Não vou contar-vos nada, vou recomendar-vos que leiam (sobretudo se cresceram nos anos 90, mas não só), e, mais uma vez, emprestar o livro a várias pessoas. A mais alta garantia de que gostei. Sem ser por default.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

20
Jun19

Diário da Islândia #6 | Missão: sobreviver

Maria das Palavras

Local de Partida: Horgsland, Islândia

Local de Chegada: Vik, Islândia

 

Apesar de, como expliquei no episódio anterior, os donos do alojamento em Horgsland nos quererem deixar ao relento, sem nos deixarem fazer late checkout quando havia toda uma tempestade a decorrer, não queriam que falecessemos de barriga vazia. O pequeno-almoço fica na memória como sendo um dos melhores da minha vida, com waffles feitos no momento e o famoso pão de centeio (rye bread). O pequeno-almoço tomava-se num hotel diferente, um pouco mais acima na estrada. Depois ficámos fechados no quarto até à hora de nos atirarmos à morte na estrada, ignorando os alertas. Não façam isto em casa.


Tivemos portanto uma subtil mudança de planos. Inicialmente, a ideia era visitar duas cascatas, o avião despenhado e duas praias. Com as alterações climáticas passou a ser chegarmos vivos a Vik.

Skogafoss - Maria das Palavras na Islândia

Pelo caminho, as condições foram melhorando e acabámos por visitar as duas cascatas. Primeiro Seljalandsfoss, que se vê logo da estrada e onde me deixei salpicar. Depois Skógafoss. Que é muito bonita, tal como toda a envolvência, mas amaldiçoo o momento em que concordei em subir as escadas para vermos a vista de cima. São 527 degraus. Suei na neve, minha gente. 

 

tenor.gif

 

De seguida visitámos dois dos locais de filmagem de Game of Thrones na Islândia (embora não especificamente por causa disso). Dyrhólaey. Não sei explicar a sensação, mas fiquei bastante impressionada com aquela composição da natureza.

 

Dyrholaey - Maria das Palavras na Islandia

 

E a praia de areia negra Reynisfjara, já perto de Vik. Onde o que mais impressiona é o penhasco de basalto com formas de paralelipípedos desenhadas. Se os homens da Night's Watch lá estiveram na temporada sete, nós estivemos em 2018. E o Moço, armado em blogger, levou o corta-vento ideal para fazer contraste nas fotos. 

 

Reynisfjara Beach - Maria das Palavras na Islândia

 

Creio que foi também neste dia (assim rezam as minhas notas) que o Moço trespassou dois metros um placa que dizia Propriedade Privada para tirar uma foto ao longe e levou um belo sermão por causa disso, de um senhor (talvez o dono?) que se deu ao trabalho de vir bater no vidro do carro para ralhar pós-foto. Na Islândia, é suposto as pessoas repeitarem regras. Imagine-se uma coisa dessas. 

 

giphy.gif

 

Foi um dia bastante chuvoso, mas mais tranquilo do que previsto e acabámos a conhecer estes locais absolutamente irrealísticos. E ainda assim, de alguma forma, reais. Chegámos cansados ao nosso alojamento a Vik, mais caro, mas mais familiar, com amor nos detalhes (ah, o amor de ter condicionador de cabelo para o banho). Chamava-se GuestHouse Carina. Tudo o que precisam de saber, além de que era acolhedor, é que também nos ofereceu um pequeno-almoço espetacular, com papas de aveia, mais waffles e café expresso (!). E bem precisávamos, porque no dia seguinte íamos viver a aventura de uma vida. E eu fico entusiasmada só de voltar a pensar nisso. 

 

 

[Cliquem aqui para ler todos os episódios do Diário da Islândia publicados até ao momento e adicionem-me no Facebook e no Instagram da Maria - @mariadaspalavras - para saberem quando saem os últimos posts da terra do gelo - no próximo capítulo somos tão radicais!]

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

16
Jun19

Dois dedos de conversa #108

Maria das Palavras

Eu, irritada com o filme da Bela e o Monstro (com a Emma Watson, que está na Netflix) porque mudaram vários detalhes da história de animação, sendo a mais grave - para mim - que o Lumière tem a cara na vela e não no castiçal:

- Isto é um disparate. E nenhum deles tem emprego, gostava de saber como pagaram aquela festa no final para toda a gente. 

O Moço, prontamente:

- Venderam os livros da biblioteca no OLX.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds