Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maria das Palavras

A blogger menos in do pedaço, a destruir mitos urbanos desde 1986. Prazer.

16
Set19

O dia em que uma sala de cinema me cuspiu em cima

Maria das Palavras

Então queríamos ir ao cinema ver o IT (que é bom, mas em termos de terror é uma palhaçada - literalmente). E o melhor horário era o da sessão 4DX no GaiaShopping. Não pensei muito no assunto, achei que fosse tipo IMAX ou assim e, mesmo sendo caro o bilhete, ficava como uma experiência. Mal sabia eu para o que estava guardada. 

 

giphy (18).gif


Não sei se já vos disse, mas toda a vida odiei pipocas - sabem-me a clara de ovo. Ultimamente, têm-me apetecido. As pessoas mudam. Às vezes para melhor, outras vezes, para engordar mais. Portanto, Maria vai de pipocas e Coca-cola sentar-se na cadeira de cinema, quando...esta começa a saltar. A cadeira, entenda-se, que eu só me mexo se houver muita necessidade.

 

giphy (19).gif

 

Talvez seja óbvio para muita gente que não vale a pena levar comida e bebida para uma sessão de 4DX, mas entendam que eu não sabia o que era. Calha que se tratam de duas horas de cadeiras a abanicar ao sabor das imagens do filme. Portanto nos primeiros dois minutos metade das pipocas ficou no chão e a cola perdeu o gás.

Explicando, para leigos, como eu era. O 4DX tenta replicar as sensações do filme. A cadeira salta e balouça nas cenas de movimento, molha-te se a personagem se molha, entra um odor estranho, se as personagens entram no esgoto, e passa um vento se estão ao ar livre.

Ora se eu quisesse apanhar com vento não saia de Espinho, não é?
E no geral, se eu quisesse sentir que estava ao relento, ia acampar em vez de ir ao cinema.

HkLTaA1.gif


Depois levo muito a mal que a sala me cuspa em cima, que basicamente foi o que aconteceu. Crianças a chapinhar na água? Jatos húmidos na cara. E já agora em cima das pipocas - ainda estou eu a habituar-me a gostar delas e o cinema quer-mas por logo moles.

Para ajudar na festa, tínhamos acabado de jantar, pelo que o Moço (que abomina qualquer semelhança com parques de diversão e já acha radical passar com o carro em lombas a baixa velocidade) vaticinou logo: vou ficar enjoado. 


Acresce que no dia anterior eu tinha ido a um casamento e apesar de não beber alcoól (logo não estar de ressaca), nem ter chegado a horas vergonhosas a casa, a idade já não perdoa e acordei com uma dor de costas. Adivinhem o que é supimpa para a dor de costas?

CADEIRAS SALTITANTES.

Durante as quase três horas que levou o filme.
Então, mas não é excitante, a sensação de acompanhar o movimento do filme? É sim, senhor. Durante certa de sete minutos e meio. Depois, mói.

 

giphy (20).gif


E no fundo, foi só como estar a ver o filme no sofá de casa, porque o Moço, nunca pára quieto um segundo enquanto vê televisão. A frase que mais lhe digo nunca foi "amo-te", sempre foi "Podes parar um bocadinho?!". De maneira, que quando o filme acabou a nossa conversa foi esta:

Maria: Eu queixo-me que tu nunca estás quieto e depois pagamos uma fortuna para me sentar em cadeiras saltitonas no cinema.

Moço: No fundo, comigo, a tua vida é 4DX.

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

11
Abr18

Dois dedos de conversa #96

Maria das Palavras

Fomos ver a ante-estreia do Rampage ao cinema. Aceitei a borla sem saber bem que filme era. Antes de entrarmos:

 

Moço: É sobre o quê?

Maria: Não faço ideia...

Moço: Espero que não seja um romance.

Maria: Só sei que é com o The Rock e um gorila.

Moço: Então espero MESMO que não seja um romance!

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

10
Dez17

O estranho caso do filme que começava às 21h30 e começou às 21h30.

Maria das Palavras

Multimeios de Espinho | Imagem CM Espinho

 

Nasci numa aldeia nas redondezas de Leiria. Não muito longe do centro, só o suficiente para depender do meu pai ou do autocarro para lá chegar. De forma que sempre tive em mente um micro-objetivo, uma coisa fútil, pequena, mas simbólica: morar a distância a pé de um cinema . Coisa que aconteceu assim que me mudei para Lisboa e tinha dois à disposição: o Fonte Nova* e o Colombo (ia ao cinema pelo menos duas vezes por mês).

 

Quando me mudei para Espinho fiz o mesmo. Além de querer saber se tinha a uma distância aceitável uma Brasserie de L'Entrecôte (tenho, na Foz do Porto - e é o meu restaurante favorito) quis saber se tinha um cinema na cidade. E tinha. Um filme por semana, mas chegou para me apaziguar. É aquele tipo de "sinais" que às vezes procuro, mesmo que não acredite em nada que nenhuma força maior que eu. 


Quantas vezes fui ao restaurante na Foz? Nenhuma. 

Quantas vezes tinha ido ao cinema desde que me mudei para cá, há meses? Uma e foi no Arrábida Shopping, numa tarde horrível, cheia de adolescentes barulhentos, a ver o IT, só mesmo porque estávamos completamente a ressacar de cinema e queríamos ver o filme. 


Esta terça, nem foi tarde nem cedo, foi o momento. O filme em exibição era "O Crime no Expresso do Oriente" e lá saímos para experimentar a medo, o Multiusos de Espinho. 

 

Há quanto tempo não vos acontecia irem ver um filme que começava à hora marcada? Sem trailers, nem publicidade, nem o diabo a quatro. Aconteceu-nos no Multiusos. E eu que já estava louca com o tamanho do ecrã (enorme), a pouca companhia na sala e o cartãozinho de 10º bilhete grátis que nos deram na bilheteira, parecia louquinha com um sorriso de orelha a orelha. 

 

Por estas bandas, acabou-se a fome de cinema. Vai voltar à rotina. 

 

Multiusos, me aguarde, que eu vou lhe usar.


*
Da última vez que fiz um post a louvar um cinema ele fechou. Vamos tentar não fazer disto um hábito, sim?

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

16
Jan17

A sensibilidade masculina

Maria das Palavras

man.jpg


Já tinha ouvido falar tão bem do filme por essa blogosfera fora que, depois dos Globos e já em ressaca de cinema, peguei no Moço (foi mais ao contrário) e fomos ver o tal Manchester by the Sea. E é exatamente como o descreviam: um filme poderoso, emocional, trágico, pesado, mas também com toques de humor negro e diálogos brilhantes que tornam aquilo que podia ser um dramalhão num filme sobre algo positivo: sobre como - aconteça o que acontecer - temos de levantar a cabeça e continuar.


Não chorei porque sou uma pedra, mas o filme termina e tenho aquela sensação no peito que talvez só faltasse mais uma palavra para isso. E no meio do silêncio comovente da sala, o Moço diz: 

- Meio chocho, não foi?

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

30
Set16

Podia ser o pior filme da história do cinema. Eu ia.

Maria das Palavras

 

[Não, não vai acontecer. Este trailer é editado com clips de outros projetos destes atores por outra fã incondicional da série. E eu que ando a rever a série - outra vez, obrigada Netflix - com a desculpa que o Moço não tinha visto as primeiras temporadas, deixei-me enganar por dois segundos.]

 

 

Posts sobre Friends em Mariadaspalavras.com

 

 

Eu e o Moço a ver Friends

Momento de fazer doer a barriga a rir

O meu momento Ross Geller

Sou uma Rachel das ecografias

 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

22
Set16

Maria com medo do escuro

Maria das Palavras

Diana - Lights Out | Terror na Escuridão

 

Fui ver um filme de terror ao cinema há um par de semanas. Muito bom, por sinal. Lights Out - Terror na Escuridão. O tipo de terror que mais me assusta, e portanto o que mais gosto, sempre foi o das coisas que não posso racionalizar ou compreender: quando mete espíritos. Por princípio não acredito em nada que não possa apalpar, mas se estiver errada prefiro não saber. É daquelas coisas...

Os filmes de terror em que tudo tem uma explicação humana entretêm-me muito e, claro, seriam mais fáceis de replicar na vida real. Acontece que eu sei como lidar com o terror da vida real (muito embora estar carregadinha de pânico me pudesse toldar os movimentos). Mas sei chamar a polícia, sei dar com um tacho na cabeça de alguém, sei gritar por ajuda. Em teoria, pelo menos. 
Quando os filmes de terror tratam do sobrenatural são argumentos altamente improváveis de acontecerem numa quinta-feira qualquer da minha vida (diria mesmo impossíveis, lá está, não acredito em bruxas e não quero saber se estou errada). Mas...imaginando que acontece. Bom, eu não sei lidar com fantasmas - a não ser que calhasse o Gasparzinho e pudéssemos jogar ao peixinho - e creio que a polícia ou um vizinho ou transeunte que chamasse para me ajudar também não saberiam. Creio ainda que a técnica da joelhada estratégica não resultaria. E esse é o verdadeiro medo: não posso racionalizar a situação, nem a solução, por mais que seja hipotética.

 

Conclusão: nunca gostei particularmente de me mover no escuro e sozinha em casa, mas a coisa faz-se, distraio-me e pronto. Só que desde que fui ver este filme imagino a Diana (depois vêem, é uma menina simpática - ou não - que morreu há uma cambalhada de anos e se move na escuridão) em todas as divisões da casa que têm a luz apagada. O problema é mesmo eu ter uma capacidade de visualização muito poderosa. Sei perfeitamente como ela sairia, mão suja das garras primeiro, se me fosse catar a mão enquanto eu tento acender a luz da casa-de-banho.

 

Já sei como funciona, um dia destes esqueço-me e depois só volto a este mini-pânico quando vir o próximo filme de terror mesmo muito bom. Vou deixar de ver filmes de terror? Nop. 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

23
Abr16

É uma sorte.

Maria das Palavras

Temos mesmo muita sorte que quando vamos ao cinema não obriguem o Moço a pagar dois bilhetes. É que ele vê sempre dois filmes: o do ecrã e o da vida de toda a gente à nossa volta. Enquanto me passa tudo (literalmente) ao lado ele sabe perfeitamente quem se chateou com quem por estar na cadeira errada, quem comeu pipocas ou as deixou cair, quem estava incomodado por ter uma cabeça no caminho do ecrã- eu só sei se for eu - e a afluência de figuras públicas por metro quadrado. 

 

Sigam-me no Instagram @mariadaspalavras, no Youtube aqui e no Facebook aqui.

Seguir no SAPO

foto do autor

Passatempos

Ativos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu mai'novo

Escrevo pr'áqui







blogging.pt

Recomendado pela Zankyou

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds